Trabalhista Sadiq Khan reeleito para segundo mandato em Londres

Sadiq Khan lamentou a divisão do país que as eleições revelaram. “Devemos usar este momento de recuperação nacional para curar essas divisões”, defendeu.

Foto
Sadiq Khan discursa depois de serem conhecidos os resultados da capital HENRY NICHOLLS/Reuters

O trabalhista favorito à corrida da câmara de Londres Sadiq Khan foi reeleito para um segundo mandato com 55,2% dos votos, um resultado mais renhido do que nas últimas eleições, com os 44,8% do candidato do Partido Conservador, Shaun Bailey. A reeleição, esperada, foi ainda muita festejada pelos trabalhistas, depois de terem perdido alguns assentos locais, nomeadamente em Hartlepool.

Dos restantes 18 candidatos, ficou em terceiro lugar o candidato dos Verdes, Sian Berry, seguido de Luisa Porrit dos Liberais-Democratas. Na assembleia municipal, os trabalhistas asseguraram a maioria com 11 assentos, à frente dos nove lugares dos conservadores, dos três lugares dos Verdes e dos dois eleitos pelos Liberais-Democratas.

Khan tornou-se o primeiro mayor muçulmano a dirigir uma capital da União Europeia, quando foi eleito pela primeira vez em 2016. Quebrou, no mesmo ano, a governação de oito anos dos conservadores da capital do país. Confirmada a reeleição, afirmou ser “um mayor para todos os londrinos” e disse que irá trabalhar para “melhorar as vidas de todas as pessoas desta cidade”.

“Estou muito honrado com a confiança que os londrinos depositaram em mim para continuar a liderar a melhor cidade do mundo”, disse Khan no discurso da vitória. “Prometo usar todos os esforços para contribuir para um futuro melhor e mais brilhante para Londres depois dos dias negros da pandemia e criar uma cidade mais segura, justa e verde para todos os londrinos”, continuou.

Khan lamentou a “profunda divisão” do país e mesmo da cidade que os resultados eleitorais lhe revelaram. “As feridas do Brexit permanecem, uma guerra cultural dura está a dividir-nos ainda mais. Devemos usar este momento de recuperação nacional para curar essas divisões”. Referindo haver mais que une as pessoas, do que o que as divide, apelou à construção “de pontes, ao invés de muros entre a câmara municipal e o Governo”.

Sobre os resultados, Shaun Bailey afirmou que os londrinos não o “descartaram”, apesar das previsões das sondagens, jornalistas e das críticas dentro do partido. Congratulou o opositor, ainda que apelando para não “atribuir todas as culpas ao Governo” conservador.