Realojados noutros locais seis imigrantes que estavam no Zmar

Para este domingo está prevista a saída de mais dez imigrantes que vão ser alojados em locais mais próximos das plantações onde trabalham.

Foto
Seis imigrantes saíram esta sexta-feira do Zmar LUSA/NUNO VEIGA

Seis dos 24 imigrantes que estavam alojados no empreendimento turístico Zmar, alvo de uma requisição civil decretada pelo Governo na semana passada, abandonaram esta noite o complexo em Odemira para serem realojados noutros locais.

Isso mesmo explicou ao PÚBLICO fonte do Ministério da Administração Interna, que adianta que os novos alojamentos já foram vistoriados pelas autoridades de saúde. O presidente da Câmara de Odemira já tinha afirmado na conferência de imprensa desta quinta-feira que algumas firmas que empregam estes trabalhadores tinham disponibilizado locais para realojar os seus funcionários, o que se vem a confirmar. Foi isso que determinou a saída destes seis trabalhadores, estando previsto que outros dez, que trabalham para a mesma empresa agrícola, abandonem o Zmar no próximo domingo. 

Estas saídas não estão relacionadas com a providência cautelar apresentada por um grupo de donos de casas móveis que estão instaladas no complexo, que pretende suspender a eficácia da requisição civil.

O Governo ainda não foi citado pelo Supremo da admissão daquele procedimento urgente, o que deveria determinar que o Estado ficasse proibido de continuar a requisição, o que obrigaria à retirada dos imigrantes do ZMar. No entanto, o executivo já anunciou que irá apresentar uma resolução fundamentada a defender o interesse público na manutenção da requisição civil, o que deverá retirar qualquer efeito prático à providência.