Z de Zmar e de zero em decência, bom senso e empatia

O Zmar é o cenário de sonho para exibir as disfuncionalidades do país. É caso para perguntar: onde está o Estado? Onde está a justiça? Onde estamos nós?

Há coisas que estão antes da esquerda e da direita. A decência. O bom senso. A empatia. A preocupação com os outros. A vontade de diálogo. A humanidade. A política é uma forma de organizar o mundo; não é a bússola que norteia os nossos valores morais, nem os óculos que colocamos a priori para definir o modo como vemos os outros e respondemos às suas necessidades. Politizar determinados temas é, logo à partida, uma indecência, uma insensatez e uma desumanidade. É isso que está a acontecer com a história do Zmar e a forma como são tratados os imigrantes em Odemira e em muitas outras explorações agrícolas espalhadas pelo país.