Afinal, a ponte de Arouca é mesmo a “maior ponte pedonal suspensa do mundo”?

Poucos dias depois de abrir-se a visitas, a ponte com 516 metros de Arouca foi acusada de ter a mania das grandezas: é que no Nepal há uma ponte suspensa pedonal com 567 metros. A Câmara Municipal de Arouca já veio a público explicar as diferenças entre as duas. E mantém o slogan da ponte 516 Arouca.

Arouca 516
Fotogaleria
Nelson Garrido
construcao-obras-publicas,arouca,fugas,aveiro,turismo,nepal,
Fotogaleria
Nelson Garrido
construcao-obras-publicas,arouca,fugas,aveiro,turismo,nepal,
Fotogaleria
Nelson Garrido
construcao-obras-publicas,arouca,fugas,aveiro,turismo,nepal,
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido
construcao-obras-publicas,arouca,fugas,aveiro,turismo,nepal,
Fotogaleria
Nelson Garrido

Chama-se 516 Arouca e abriu ao público geral a 3 de Maio, dias depois de uma pré-abertura para residentes. E com toda a atenção mediática que a “maior ponte pedonal suspensa do mundo”, como se anuncia, atrai.

Porém, a Câmara Municipal de Arouca viu-se obrigada a emitir um esclarecimento quando foram conhecidas notícias que dão conta da existência de uma outra ponte que coloca em causa esse “título”. É a ponte sobre o rio Kaligandaki, em Baglung, no Nepal: a primeira tem, como o nome indica, 516 metros de comprimento; a segunda, 567 metros, segundo as (poucas) notícias online sobre a sua conclusão, em 2020, que a anunciam como “a mais comprida ponte pedonal suspensa do mundo” (da mesma maneira tem sido anunciada a 516 Arouca na imprensa anglo-saxónica).

Polémicas (e léxico) à parte, fonte da autarquia assegurou à Fugas que a câmara municipal vai manter o slogan com que a ponte “começou a ser comunicada” em 2018, data do início da sua construção.

A maior ponte suspensa pedonal do mundo até pode meter “medo”, mas no momento decisivo, o apelo do abismo é maior. O temor fica na margem, a travessia faz-se pequena e o centro de tudo passa a ser aquele ponto exacto, 175 metros acima do rio.

É que, de acordo com o comunicado emitido, a conclusão de que esta seria a maior ponte pedonal suspensa do mundo, foi obtida, pelo gabinete que a projectou (o ITeCons — Instituto de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico para a Construção, Energia, Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de Coimbra) e os próprios responsáveis autárquicos, tendo em conta diversos factores. Ou seja, além do já referido comprimento, levou-se em linha de conta a sua altitude (175 metros acima do nível do rio Paiva), a envergadura construtiva (“foi utilizada engenharia de ponta”) e a “capacidade de albergar ao mesmo tempo duas mil pessoas”.

A autarquia faz questão de sublinhar todos os timings do projecto para assegurar que, quando se iniciou a construção da 516 Arouca, “a maior ponte do mundo em comprimento neste segmento” era a suíça Charles Kuonen, inaugurada em 2017, e que a abertura da ponte de Arouca estava prevista para o Verão de 2020.

Adiada a inauguração devido ao contexto pandémico, entretanto, e “sem que tenha sido publicitada e ainda hoje exista muito pouca literatura sobre esse facto, foi inaugurada em Julho de 2020, uma estrutura no Nepal mais comprida do que a de Arouca, mas totalmente diferente no que respeita à sua dimensão e todas as outras características”.

“Trata-se”, refere-se no comunicado, “de uma ponte de travessia rural, dimensionada para cargas muito reduzidas e sobre a qual existe pouca evidência científica e mediática”.

No site noticioso nepalês Khabarbub escreveu-se em Agosto de 2020 que a ponte sobre o rio Kaligandaki iria inscrever-se no Guinness Book of World Records como a mais comprida do mundo - por enquanto, ainda não está inscrita: no “famoso” livro de recordes, onde são os próprios “recordistas” a inscrever-se (e depois confirmados ou não), o “título” ainda pertence à ponte japonesa Kokonoe Yume Otsurihasi (tem 390 metros de comprimento e está registada desde 2006).