Joana Marques Vidal volta a duvidar da necessidade de existir uma Polícia Judiciária Militar

A linha de investigação que estava a ser seguida era a de terrorismo, criminalidade violenta e organizada, “da competência exclusiva da PJ”, sublinhou Joana Marques Vidal.

Foto
DANIEL ROCHA

A decisão de atribuir competências à Polícia Judiciária (PJ) na investigação do furto de Tancos foi um dos assuntos dominantes da audição da ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal, esta terça-feira, no julgamento dos 23 arguidos pelo Tribunal de Santarém.

Sugerir correcção
Comentar