Defesas no julgamento de Tancos jogam com ataque à actuação do MP e da PJ antes do assalto

A ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal e o director nacional da Polícia Judiciária, Luís Neves, são ouvidos como testemunhas nesta terça-feira pelo Tribunal de Santarém. Julgamento dos 23 acusados começou há seis meses.

forcas-armadas,sociedade,ministerio-publico,policia-judiciaria,justica,defesa,
Fotogaleria
,Polícia Judiciária Militar
Fotogaleria
LUSA/Manuel Almeida

É um dos momentos mais esperados do julgamento de Tancos que já conta com 46 sessões: nesta terça-feira, 47.º dia de audiências, Joana Marques Vidal, ex-procuradora-geral da República, e Luís Neves, director nacional da Polícia Judiciária (PJ), são as testemunhas arroladas pelo Ministério Público ouvidas pelo Tribunal de Santarém. O ex-ministro da Defesa José Azeredo Lopes é um dos 23 arguidos num julgamento iniciado há seis meses. Já foram ouvidos todos os arguidos que até agora manifestaram intenção de prestar declarações menos um – Jaime Oliveira, o dono de um restaurante em Aveiro, amigo de um dos alegados assaltantes.​