Madrid votou em peso para apoiar o grito de “liberdade” de Ayuso

A candidata à reeleição, e dirigente do PP, não precisa de deixar entrar a extrema-direita no governo. PSOE é um dos grandes derrotados, com o Más Madrid a conseguir mais votos e a eleger os mesmos deputados.

madrid,extremadireita,mundo,eleicoes,espanha,europa,
Fotogaleria
Ayuso celebra vitória eleitoral Mariscal/EPA
madrid,extremadireita,mundo,eleicoes,espanha,europa,
Fotogaleria
Festa do PP em Madrid SUSANA VERA/Reuters
madrid,extremadireita,mundo,eleicoes,espanha,europa,
Fotogaleria
Ayuso anunciou "novo capítulo" para Espanha SUSANA VERA/Reuters

Há 26 anos que a direita do PP governa a comunidade de Madrid. Se esse for o ponto de partida, a vitória esmagadora da lista encabeçada por Isabel Díaz Ayuso, a dirigente do partido conservador que decidiu dissolver o Governo e marcar eleições antecipadas, não surpreendem. Mas se a comparação se fizer com os votos de 2019, quando o PSOE venceu e o PP teve de se coligar com o Cidadãos e pedir o apoio à extrema-direita do Vox para manter o poder, então o que Ayuso conseguiu é extraordinário.