Morreu José Festas, o pescador que um naufrágio transformou num líder

Tenaz, polémico, mestre Festas lutou, desde 2007, pelas condições de segurança dos homens do mar. Estava doente desde Novembro.

Foto
José Festas tinha 58 anos e liderava a Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar Lara Jacinto

Quem o conhecia sabia que só uma doença, ou a morte, o parariam. Entre os amigos e conhecidos, não eram poucos os que discordavam dele, mas, em muitas das guerras em que se meteu, a sua teimosia ou “tenacidade”, para usar as palavras do advogado Abel Maia, levavam muitas vezes a melhor. José Festas, pescador como quase todos os seus contemporâneos de Caxinas, Vila do Conde, morreu esta terça-feira, ao final da manhã, com 58 anos. Um aneurisma hemorrágico pusera-o “fora de jogo”, em Novembro, impedindo-o de assistir à inauguração do seu maior projecto: os armazéns de pesca no Porto de Vila do Conde/Póvoa de Varzim, que continuam em obras.

A vida de Festas, ou Zé Festas, como é conhecido no lugar onde nasceu, mudou para sempre em 2007 com a fundação da Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar. O gesto cívico tinha na génese mais um dos incontáveis naufrágios que abalaram a comunidade de Caxinas. No final de Dezembro de 2006, a embarcação Luz do Sameiro afundara-se junto à costa a norte da Nazaré. Dos sete tripulantes, só um sobreviveu. A revolta em relação à eficácia dos meios de salvamento, que emergia a cada acidente, deixou, daquela vez, uma marca mais profunda. Ao longo dos anos seguintes, as tragédias não deixaram de acontecer, mas José Festas tornou-se presença incontornável, em cada praia ou porto, na exigência de melhores condições de segurança para o sector. 

Vários projectos de segurança

Não se limitou a reclamar. Abel Maia, advogado vila-condense que logo no momento da fundação se juntou à Pró-Maior (o diminutivo com que Festas cunhara a associação), recorda os projectos, apoiados por fundos comunitários, que permitiram equipar embarcações com dispositivos de sinalização, balsas salva-vidas e posicionamento electrónicos e adquirir vestuário com capacidade flutuante para os pescadores das embarcações associadas. Num sector resistente ao uso de coletes de salvação – que dificultam as manobras de trabalho no mar – a persistência neste tipo de equipamentos já deu frutos em algumas situações de queda ao mar.

“Ele era um homem da pesca que conseguiu perceber o mundo em que vivia e que lutou por projectos em que acreditava”, descreve Abel Maia, admitindo que o espírito perseverante e lutador deste caxineiro, que muitas vezes raiava a teimosia, e a enorme capacidade de trabalho possam, de alguma forma, ter afectado a sua saúde. A associação que criou angariou sócios pelo país, cresceu em importância, número de associados, e influência política: quer localmente, entre Vila do Conde e Póvoa de Varzim – municípios que têm, entre os seus habitantes, a maior comunidade de pesca do país, muito provavelmente – quer a nível nacional. 

Ministro destaca espírito lutador

O ministro do Mar lamentou, esta terça-feira à tarde, o desaparecimento deste líder associativo. “Como ministro e como amigo sinto um amargo pesar pela partida de um dos mais prestigiados e empenhados homens do mar e um incansável lutador pela segurança no sector da Pesca. Desde o primeiro dia em que entrei no Ministério que tive a parceria interessada, competente e firme do Mestre José Festas, líder e fundador da Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar. Tenho muito a agradecer-lhe e sentirei a sua falta”, escreveu Ricardo Serrão Santos numa mensagem de pesar enviada à família do armador.

Festas não era uma figura consensual, mesmo na sua comunidade de origem. E aqueles que com ele conviveram assumem esse lado menos fácil do armador do Mãe Puríssima, “criador de uma obra com o qual se confundia”, como assume o armador Manuel Marques. “Quando lhe dizia alguma coisa e não concordava, virava-me a cara. Discordava, queria fazer à sua maneira, mas no fim fazia sempre o que lhe pedíamos. O seu temperamento escondia um bom homem e sempre dedicado aos homens do mar e às suas famílias”, descreve, numa nota no seu perfil do Facebook, o actual presidente da Associação de Armadores da Pesca do Norte. Que promete que a classe continuará a lutar pelos objectivos da associação. 

Ao longo do fim de tarde e da noite desta terça-feira sucederam-se as mensagens de pesar pela morte de José Festas. Os municípios da Póvoa de Varzim e Vila do Conde publicaram notas nas respectivas páginas oficiais, o Almirante Chefe de Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional recordou e enalteceu o trabalho desenvolvido pelo pescador no incentivo e promoção de “uma cultura de segurança junto daqueles que usam o Mar”.​ E a secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, reiterando isso mesmo, assume que perdeu, também, um amigo. 

O último projecto

Curiosamente, o último grande projecto em que Festas se envolveu – da cabeça aos pés – pouco tinha que ver com o âmbito mais estrito da sua associação. No mesmo porto em que esta está sediada, na Póvoa de Varzim, mas no aterro sul, já no território de Vila do Conde, a Pró-Maior lidera a construção, apoiada por fundos comunitários, de mais de uma centena de armazéns de pesca para outras tantas embarcações da pesca local, e costeira, quer polivalente quer de cerco. Um projecto também ele envolto em polémicas, mas que está de pé muito graças à insistência do seu criador. 

Com ele, algo mudará na paisagem urbana de Caxinas, Poça da Barca, ali defronte, e da zona Sul da Póvoa de Varzim. A comunidade sempre desenvolveu o trabalho de terra – tarefas como o arranjo e manufactura dos aparelhos de pesca – nas casas de mestres e armadores, em garagens ou outros espaços transformados em oficinas. Mas quando a obra estiver concluída, dentro de meses, parte significativa destas empresas familiares passará a trabalhar num espaço comum, no próprio porto a partir do qual uma parte da frota trabalha. Festas, o homem que passava todos os dias para controlar o andamento da obra, já não a poderá inaugurar. A morte levou-o antes do mais importante dia que tinha pela frente.

Notícia actualizada esta quarta-feira, pelas 07h30, com mais reacções à morte de José Festas