Moby Dick: medos, fantasmas e obsessões no festival de marionetas

A abrir a 21.ª edição do FIMFA, a norueguesa Yngvild Aspeli apresenta no D. Maria II, esta terça e quarta-feira, uma visão pessoal do livro de Herman Melville, inspirada pela história do seu próprio avô marinheiro.

,Teatro
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage
cultura,teatro-bairro,marionetas,teatro-municipal-sao-luiz,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage
cultura,teatro-bairro,marionetas,teatro-municipal-sao-luiz,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage
,Moby Dick ? encenação Yngvild Aspeli
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage
,Teatro
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage
,Yngvild Aspeli
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage
,Teatro
Fotogaleria
Christophe Raynaud de Lage

No cemitério onde estão enterrados os antepassados da encenadora Yngvild Aspeli há umas quantas velhas árvores espanholas. Faz tempo, numa singular troca comercial, os seus antepassados noruegueses meteram-se a caminho de Espanha com navios carregados de bacalhau e trouxeram de volta o solo onde poderiam oferecer descanso eterno aos seus familiares. Assim, numa zona remota do país, pedregosa, junto a escarpas e ao mar, surgiu um cemitério construído com aquela terra, infiltrada por raízes e sementes que fizeram despontar árvores longe, muito longe do seu lugar de origem. “Há nisto algo de que gosto muito”, confessa Aspeli em conversa com o PÚBLICO. “Apesar de estarmos muito afastados, há sempre pontos de contacto entre nós.”