Série de reportagens do PÚBLICO distinguida com prémio da Associação Corações Com Coroa

A série de reportagens Violência doméstica no banco dos réus foi esta segunda-feira distinguida com o prémio Corações Capazes de Construir na categoria jornalismo.

Foto
GABRIEL SOUSA

A série de reportagens Violência doméstica no banco dos réus foi esta segunda-feira distinguida com o prémio Corações Capazes de Construir na categoria jornalismo. A cerimónia de entrega decorreu esta segunda-feira na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, no final de uma conferência dedicada ao tema “Quem fica para trás”. A jornalista Joana Gorjão Henriques recebeu o galardão, atribuído pela Associação Corações Com Coroa.

série sobre julgamentos de violência doméstica, com textos de Joana Gorjão Henriques e ilustrações de Gabriel Sousa, responde a várias perguntas. Quem são as pessoas por detrás dos números, quais as suas histórias, o que as levou a tribunal? Como é que os juízes avaliam os casos, como tratam arguidos e vítimas? Como é que a violência doméstica é julgada? Entre Setembro e Maio, a jornalista acompanhou vários julgamentos de violência doméstica em tribunais na zona da Grande Lisboa: Lisboa central, Almada, Cascais, Amadora, Oeiras, Sintra, Loures.

O mesmo prémio foi atribuído em ex-aequo a Catarina Marquez, jornalista da SIC, pela reportagem O Todo é Maior que a Soma das Partes. 

As cartas que nunca escrevi: Os silêncios das sobreviventes da violência doméstica, de Sara Melo e Rocha (TSF), Guiné-Bissau: Quando é que esta terra arranca?, de Susana André (SIC), A Resistência: quarentena na rua, de Nuno Viegas (Fumaça) e A Serpente: episódio 1 da série A Serpente, o Leão e o Caçador​ (Fumaça) foram galardoados com menções honrosas.

A Corações Com Coroa é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento que foi criada em 2012 com o objectivo de “promover uma cultura de solidariedade, igualdade de oportunidades e inclusão sócio-afectiva de pessoas em situações de vulnerabilidade, risco ou pobreza”. O prémio Corações Capazes de Construir visa “distinguir trabalhos de comunicação que se destaquem na promoção do conhecimento, informação, sensibilização e protecção dos Direitos Humanos, numa perspectiva de igualdade de direitos, saúde, inclusão social, cidadania e desenvolvimento”.