Primeira-ministra da Nova Zelândia admite ser difícil “conciliar” divergências com a China

Pressionada pelos seus aliados ocidentais, Ardern admite que haverá sempre questões sobre as quais os dois países “não irão concordar”. Mas sublinha que os laços com o seu principal parceiro económico não precisam de ficar prejudicados por isso.

Foto
Jacinda Harden com o seu homólogo chinês, Li Keqiang, numa cerimónia em Pequim, em 2019. JASON LEE/Reuters

A primeira-ministra da Nova Zelândia admitiu esta segunda-feira, na cimeira empresarial China Business, que está a ficar mais difícil “conciliar” as divergências entre os sistemas dos dois países, mas sublinha que estas não vão afectar nem definir as suas relações.