Sam Burns conquista primeira vitória no PGA Tour

Norte-americano de 24 anos conquista Valspar Championship na Flórida

Foto
Sam Burns venceu na Flórida subindo de 94.º para 44.º no ranking mundial © VP

Esta época (2020-2021), Sam Burns já tinha entrado duas vezes para a última volta de um torneio do PGA Tour na liderança ou co-liderança – acontecera em Novembro no Vivint Houston Open, no texano Memorial Park Golf Course, onde acabou nos 7.ºs (vitória do mexicano Carlos Ortzi); e no Genesis Invitational, em Fevereiro, no Rivieira Country Club, em Los Angeles, sendo 3.º isolado (triunfo de Max Homa). À terceira não desperdiçou o ensejo, conquistando este domingo, no Valspar Championship, no campo Copperhead do Innisbrook Resort, na Flórida, o seu primeiro título no 76.º torneio que jogou no circuito. Foi o seu quinto top-10 da temporada. 

“Sempre achei que teríamos de jogar um golfe perfeito para ganhar”, disse Burns, de 24 anos, natural de Shreveport, Louisiana. Insistindo: “Sempre achei que teríamos de jogar o nosso melhor absoluto num domingo para vencer. E, depois daquelas experiências, percebi que não era bem esse o caso. Eu estava a tentar em demasia.” 

Partindo para a jornada decisiva empatado na frente com Keegan Bradley, Burns finalizou com 68 (-3) para totalizar 267 (-17) – ficou a um shot de igualar o recorde do torneio no agregado, estabelecido por Vijay Singh em 2004, com 266 (-18) – e deixar o seu fellow competitor – que foi segundo classificado – a três shots de distância. O norueguês Viktor Hovland fez o melhor resultado (65) a fechar partilhando o terceiro lugar com Cameron Tringale (68), ambos com 271 (-13). O mexicano Abraham Ancer foi 5.º com 272 (-12). 

“Eu esperava que Keegan jogasse o seu melhor”, disse Burns. “Queria ver como é que eu aguentaria e ver se conseguiria batê-lo com o meu melhor contra o seu melhor. Infelizmente para ele, ele bateu para a água – e aí eu realmente senti pena por ele. Eu já passei por isso, já o fiz.” Referia-se ao shot de saída de Bradley no Par 3 do 13, metendo a bola na água e comprometendo as suas aspirações.

Bradley soma quatro vitórias no PGA Tour, entre elas no US PGA Championship de 2011 (um dos quatro majors do golfe), e a última foi no BMW Championship de 2018. Não deixou de ser um grande duelo entre ambos no fim-de-semana, em duas voltas em que jogaram sempre juntos. 

Com esta vitória, Sam Burns (que já tinha vencido uma vez no Korn Ferry Tour, em 2018) recebeu um prémio de 1,2 milhões de dólares e subiu de 94.º para 44.º no ranking mundial. E passou a ocupar a 14.ª posição na FedEx Cup. Foi um êxito tanto mais saboroso quanto estiveram presentes a sua mulher, os pais e os irmãos.

O Valspar Championship contou com os dois primeiros do ranking mundial, os norte-americanos Dustin Johnson e Justin Thomas, os quais, embora tenham passado o cut, ficaram aquém das expectativas, o primeiro nos 48.ºs, com 282 (-2), o segundo nos 13.ºs, com 277 (-7). Thomas, ainda assim, ultrapassou Bryson DeChambeau no topo da FedEx Cup do PGA Tour.

Veja mais em www.golftattoo.com