Cientistas contestam artigo sobre aumento “abrupto” do corte de florestas na Europa

O artigo agora publicado tem entre os seus autores a portuguesa Margarida Tomé. Grupo de cientistas ligados à floresta defendem que houve problemas na metodologia utilizada pelos investigadores do JCR.

Foto
Paulo Pimenta

Um grupo de cientistas ligados à floresta, incluindo a portuguesa Margarida Tomé, contestaram os resultados de um artigo publicado no Verão do ano passado, que apontava para um aumento “abrupto” do corte de árvores nas florestas da União Europeia, indicando como causa mais provável para esse facto a estratégia política europeia nas áreas da bioeconomia e da bioenergia. O artigo inicial e o que o põe em causa foram publicados na revista Nature, numa polémica pouco habitual na revista científica que apenas publica textos que tenham sido revistos pelos pares. A contestação, publicada esta semana na Nature, refere que há um aumento do corte de árvores, mas muito mais ligeiro do que o sugerido pelo artigo alvo de críticas.