Crescimento dos depósitos abranda e crédito às famílias volta a subir

Empréstimos às empresas também aumentaram em Março, mas menos 1,2 pontos percentuais que em Fevereiro.

Foto
Dado Ruvic

Os portugueses continuam a engordar o stock dos depósitos bancários, mas o ritmo de crescimento abrandou. Em Março, os depósitos de particulares totalizaram 164.596 milhões de euros, atingindo novo recorde.

De acordo com dados divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal (BdP), a taxa de variação anual dos depósitos foi de 8,2%, valor 0,7 pontos percentuais abaixo do registado em Fevereiro.

Em crescimento também esteve o crédito às famílias, que em Março aumentou 398,4 milhões de euros, para 121.356,5 milhões de euros, o valor mais alto desde Maio de 2015.

Nos particulares, a taxa de variação anual dos empréstimos para habitação aumentou 3,%, um aumento de 0,3 pontos percentuais face a Fevereiro.

O stock total subiu para 95.935 milhões de euros em Março, contra 95.530,9 milhões de euros do mês anterior, representado o valor mais elevados desde 2016.

Nos empréstimos para consumo, a taxa de variação anual decresceu -1,3%, fixando-se em 18.834 milhões de euros, e os empréstimos para outros fins totalizavam 6.587 milhões de euros em Março, mais 13,5 milhões de euros do que em Fevereiro. 

Os empréstimos às empresas registam um crescimento de 10%, menos 1,2 pontos percentuais do que o observado em Fevereiro.

Neste segmento, destacou-se a evolução dos empréstimos às grandes empresas, cuja taxa de variação anual diminuiu 6,9 pontos percentuais, para 1,3%.