Há lares que continuam a não deixar sair os idosos para o exterior

Responsáveis dos lares queixam-se das orientações “pouco claras” da DGS e escudam-se na falta de certezas quanto à capacidade de a vacinação, mesmo que completa, travar a transmissão do vírus. Alguns idosos não saem há mais de um ano da instituição onde vivem.

Foto
Mesmo vacinados, muitos idosos continuam impedidos de sair do lar para passar algum tempo com a família Paulo Pimenta

Há muitos idosos institucionalizados em lares que, ao fim de um ano e dois meses de pandemia, continuam a não poder sair das instalações, apesar da orientação da Direcção-Geral de Saúde (DGS), actualizada no dia 17, que abre a porta a essa possibilidade, dispensando, aliás, os utentes do teste de rastreio para a detecção do novo coronavírus, desde que as saídas sejam por um período inferior a 24 horas. “O meu pai teve covid-19 em Janeiro — mais de 95% dos utentes do lar onde está tiveram —, sendo que os restantes foram vacinados, e, mesmo assim, continuamos a não poder almoçar com ele aos domingos, como era nosso hábito”, relatou ao PÚBLICO a familiar de um utente, quer preferiu não ser identificada.