A justiceira da noite

Há ideias que viram do avesso o thriller de vigilantes, mas não passam por inteiro para o filme acabado.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
,Cassandra Thomas
Fotogaleria

Uma Miúda com Potencial não apareceu nomeado para os Óscares por ser um grande filme, mas por ser um filme dans l’air du temps. Uma história de vingança como prato que se come frio com uma justiceira da noite capaz de tudo para triunfar sobre o patriarcado misógino e instalado, aplicando ao sexo (dito) forte o veneno que ele tem andado a distilar sobre o sexo (dito) fraco ao longo dos séculos. Ainda por cima, um filme escrito e dirigido por uma mulher, a britânica Emerald Fennell, actriz (em The Crown, onde foi Camilla Parker Bowles) e argumentista (da série Killing Eve); e produzido por uma mulher, a actriz Margot Robbie (Eu, Tonya, O Lobo de Wall Street), que colocou o seu peso em Hollywood ao serviço de uma história que não encaixa nas categorias tradicionais de género.