Fotogaleria

As imagens da super-Lua rosa em vários pontos do mundo

As fotografias já chegam de vários países. Em Portugal, a melhor ocasião para ver esta super-Lua será mesmo depois das 21h de terça-feira. 

Stonehenge, Inglaterra Reuters/TOBY MELVILLE
Fotogaleria
Stonehenge, Inglaterra Reuters/TOBY MELVILLE

O fenómeno da super-Lua cheia ocorre quando a Lua se encontra simultaneamente em fase de Lua Cheia e a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu, de acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL). O perigeu é​ o ponto da órbita em que o satélite natural se encontra mais próximo da Terra. É que a órbita da Lua (tal como a de planetas) é elíptica, em vez de circular, e não é sempre igual. Se a Lua está a uma distância da Terra de cerca de 384.400 quilómetros, quando há um perigeu lunar fica entre 356 mil e 360 mil quilómetros do nosso planeta.

No seu site, o OAL tem a sinopse do que acontecerá esta terça-feira: às 04h32 (hora de Lisboa) a Lua estará em fase de Lua cheia. Cerca de 12 horas depois (às 16h22), atingirá o perigeu, ficando a 357.378 quilómetros da Terra – torna-se assim oficialmente uma super-Lua. Nesse dia, a Lua nascerá às 21h06. “Nessa altura, a Lua vai parecer maior do que o habitual, não apenas devido à ocorrência da super-Lua, mas também porque está próxima do horizonte e vê-se mais ampliada, o que é apenas uma ilusão de óptica”, refere o OAL. Acrescenta-se ainda que, no dia seguinte (quarta-feira), a Lua nascerá às 22h25 e continuará a parecer maior do que o habitual.  

Máximo Ferreira, astrónomo e director do Centro Ciência Viva de Constância – Parque de Astronomia, sugere ao PÚBLICO que a melhor ocasião para ver esta super-Lua será mesmo depois das 21h de terça-feira. Como tal, o Centro Ciência Viva de Constância fará uma transmissão em directo na sua página no Facebook a partir das 21h. “Transmitiremos a observação em directo da Lua – aquilo que o telescópio estiver a captar – ou um Power Point que vamos transformar em vídeo”, refere. “Vamos observar a Lua, apontar o telescópio e registar a imagem.”

Leia o artigo de Teresa Sofia Serafim na íntegra

York, Maine, EUA
York, Maine, EUA EPA/CJ GUNTHER
Halle, Bélgica
Halle, Bélgica Reuters/YVES HERMAN
Joanesburgo, África do Sul
Joanesburgo, África do Sul EPA/Kim Ludbrook
Escópia, Macedónia do Norte
Escópia, Macedónia do Norte EPA/GEORGI LICOVSKI
Nova Iorque
Nova Iorque Reuters/EDUARDO MUNOZ
Buenos Aires, Argentina
Buenos Aires, Argentina Reuters/AGUSTIN MARCARIAN
Illinois, EUA
Illinois, EUA EPA/TANNEN MAURY
York, Maine, EUA
York, Maine, EUA EPA/CJ GUNTHER
Halle, Bélgica
Halle, Bélgica Reuters/YVES HERMAN
Roma, Itália
Roma, Itália EPA/GIUSEPPE LAMI
Istambul, Turquia
Istambul, Turquia Reuters/MURAD SEZER
Istambul, Turquia
Istambul, Turquia EPA/SEDAT SUNA
Praga, República Checa
Praga, República Checa EPA/MARTIN DIVISEK
Santiago de Compostela, Espanha
Santiago de Compostela, Espanha EPA/Lavandeira jr
Londres, Inglaterra
Londres, Inglaterra Reuters/HANNAH MCKAY
Sugerir correcção