Como se pôs uma oliveira contemporânea dos faraós a puxar por uma terra ribatejana

Um monumento vivo com 3354 anos chegou aos nossos dias, deixando em aberto uma questão pertinente: por quanto tempo mais terá condições para viver uma das árvores mais velhas do mundo.

Foto
Câmara Municipal de Abrantes

A oliveira do Mouchão esperou mais de três mil anos para que os humanos se apercebessem da sua idade. José Luís Louzada, investigador auxiliar com agregação do departamento florestal na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), que patenteou, em 2008, um método de datação das oliveiras antigas, recorre a uma frase adequada a árvores tão vetustas: “Arrisco-me a dizer que as oliveiras como a de Mouchão são quase eternas”. E, no entanto, este exemplar que já completou 3354 anos em 2021 escapou por um triz a um abate que chegou a estar anunciado e por estes dias ainda enfrentou uma ameaça química.