Há mais 14 concelhos acima do limite de incidência para o desconfinamento. São agora 43

Dos concelhos que pararam ou recuaram no desconfinamento, apenas Alandroal tem agora uma incidência a 14 dias inferior a 120 novos casos por 100 mil habitantes. Concelhos sem novos casos há mais de 14 dias também aumentam

Foto

Aumentou para 43 o número de concelhos acima do limite de incidência cumulativa definido pelo Governo. De acordo com o boletim desta sexta-feira da Direcção-Geral da Saúde (DGS), são agora mais 14 os concelhos com mais de 120 novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias. Na última actualização, de 9 de Abril, havia 29 municípios nesta situação.

Dos 43 concelhos que ultrapassam a linha estabelecida, 24 já se encontravam na mesma situação na passada sexta-feira. Dos concelhos que pararam ou recuaram nas medidas de desconfinamento, apenas Alandroal, um dos seis que não avançaram, tem agora uma incidência a 14 dias inferior a 120 novos casos por 100 mil habitantes. Por outro lado, os restantes 19 estavam abaixo do limite, pelo que apresentam pela primeira vez uma incidência acima dos 120 novos casos por 100 mil habitantes.

Com 24 dos 29 concelhos da última semana a figurarem de novo na lista, quer isto dizer que cinco deixaram de estar com uma incidência superior ao tecto definido pelo Governo: Vila Franca de Xira (111 novos casos por 100 mil habitantes, menos 56 que na passada sexta-feira), Olhão (110, menos 21), Miranda do Corvo (63, menos 110), Alandroal (60, menos 301) e Penalva do Castelo (28 novos casos por 100 mil habitantes, menos 113 que na última actualização).

Exceptuando Alandroal, um dos concelhos que parou o desconfinamento, todos os outros constavam da lista a ter “especial atenção" por se encontrarem na zona de risco nessa avaliação do Governo, segundo explicou o primeiro-ministro, António Costa na conferência de imprensa de 15 de Abril. A lista de 13 municípios “em alerta” contava com os quatro acima referidos que esta semana surgem com incidência a 14 dias inferior a 120 e outros nove que continuam com um valor superior: Aljezur, Almeirim, Barrancos, Mêda, Miranda do Douro, Paredes, Resende, Valongo e Vila Nova de Famalicão. 

Caso na próxima semana continuem com uma incidência cumulativa a 120, serão aplicadas medidas consoante o nível de incidência em que se encontram: Aljezur e Resende, correm mesmo o risco de regredir no plano, uma vez que estão em níveis acima dos 240 novos casos por 100 mil habitantes e já assim se encontravam na avaliação da semana do Conselho de Ministros; os restantes concelhos não avançam para a fase seguinte, caso se mantenham no patamar actual.

Concelhos sem novos casos há mais de 14 dias também aumentam

Apesar do aumento de concelhos acima do limite estabelecido, também há mais municípios sem novos casos identificados há pelo menos 14 dias. São agora mais três que na semana anterior, para um total de 65 (21% dos concelhos do país).

O contágio continua a diminuir ou mantém-se inalterado na maioria dos concelhos: cerca de três em cada cinco (190, cerca de 62%). Em 308 concelhos, 119 registaram uma diminuição da incidência cumulativa e 71 não viram esse valor alterar-se – destes, 44 já não tinham registado quaisquer casos entre 31 de Março e 13 de Abril.

O país continua com dois concelhos com uma incidência cumulativa de nível máximo (acima de 960 casos): Vila Franca do Campo (São Miguel, nos Açores) e Odemira (Beja), que registam uma incidência de 1357 e 991 novos casos por 100 mil habitantes, respectivamente. Na semana passada eram também dois, mas tratava-se de Vila Franca de Campo, que lidera esta lista, e Nordeste, também na ilha açoriana de São Miguel, que esta semana desceu para o patamar inferior, com 576 novos casos por 100 mil habitantes, menos 473 que na semana passada (a maior descida registada).

No patamar de Nordeste (incidência entre 480 e 959,9) há ainda Resende (572 novos casos por 100 mil habitantes), Machico (546) e Aljezur​ (501). Entre 240 e 479,9 há sete concelhos Cabeceiras de Basto, Lagoa (Açores), Ribeira Grande, Portimão, Porto Moniz, Penela e Cinfães.

Os dados agora apresentados correspondem ao período entre 7 e 20 de Abril. A DGS adiantou a 9 de Abril que o boletim que contém as incidências cumulativas a 14 dias por concelho vai passar a ser publicado à sexta-feira para “diminuir o intervalo entre a extracção de dados e a publicação dos mesmos”. 

Segundo explica a DGS, a incidência cumulativa corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e população residente estimada, por concelho, a 31 de Dezembro de 2019, pelo Instituto Nacional de Estatística.