Mais uma morte e 506 casos de covid-19. Portugal continua na zona verde

O R(t) a nível nacional mantém-se em 0,98 e, no continente, em 0,99. Já a incidência a 14 dias por cem mil habitantes diminuiu ligeiramente para 72,1 casos a nível nacional e 68,3 quando se analisam apenas os registos do território continental.

Portugal registou mais uma morte e 506 novos casos de infecção pelo novo coronavírus, o que corresponde a um aumento de 0,06%, de acordo com os dados mais recentes da Direcção-Geral da Saúde. 

A única vítima mortal identificada nos dados desta sexta-feira corresponde a um homem entre os 70 e os 79 anos. A taxa de letalidade da covid-19 em Portugal é de 2%.

menos 11 pessoas internadas nos hospitais portugueses, contabilizando-se agora um total de 384 pacientes hospitalizados com covid-19 — o número mais baixo dos últimos sete meses. Registam-se também menos seis pessoas com a doença em unidades de cuidados intensivos, num total de 98.

O país encontra-se na zona verde da matriz de risco. Os rectângulos da matriz que colocamos no topo deste artigo ditam o avanço (ou recuo) das diversas fases do desconfinamento e combinam a incidência do vírus (o número de casos por cada 100 mil habitantes) com o índice da transmissibilidade (o R(t), o número de casos de infecção a que uma pessoa com covid-19 dá origem). Se os indicadores chegarem à zona amarela ou vermelha, a reabertura da sociedade e da economia poderá ser travada ou revertida.

A matriz de risco foi actualizada nesta sexta-feira e dá conta de uma ligeira diminuição da incidência. O R(t) a nível nacional mantém-se em 0,98 e, no continente, em 0,99. Já a incidência a 14 dias por cem mil habitantes é agora de 72,1 casos a nível nacional e 68,3 quando se analisam apenas os registos do território continental. Esta matriz de risco é actualizada às segundas, quartas e sextas-feiras.

Divulgados no boletim desta sexta-feira da DGS, os dados correspondem à totalidade de quinta-feira. No total, o país contabiliza 16.957 óbitos por covid-19 e 833.397 casos confirmados desde Março.

Segundo os dados que constam do boletim, a região Norte soma 49% dos novos casos reportados esta sexta-feira, tendo registado mais 247 infectados e uma vítima mortal. Já Lisboa e Vale do Tejo contabiliza mais 126 casos (25%) e nenhuma morte por covid-19.

Recuperaram da doença mais 580 pessoas, contabilizando-se agora um total de 791.751 recuperados. Há ainda a registar menos 75 casos activos de infecção, num total de 24.689.

O Norte contabiliza um total acumulado de 334.762 casos confirmados desde o início da pandemia, sendo a zona do país com maior número de infecções. Seguem-se Lisboa e Vale do Tejo, com 315.404 casos; o Centro, com 118.363 casos (mais 69 em relação ao dia anterior); o Alentejo, com 29.662 casos (mais sete) e o Algarve, com 21.508 infectados (mais 33). O arquipélago dos Açores regista um total de 4636 casos de infecção (mais 15) e a Madeira contabiliza 9062 casos (mais nove).

Lisboa e Vale do Tejo regista 7189 mortes por covid-19 acumuladas desde Março e a região Norte 5334. O Centro mantém-se com 3009 mortes causadas pela doença, o Alentejo com 970 e o Algarve com 356 — estas regiões não reportaram nenhuma vítima mortal esta sexta-feira, assim como os arquipélagos dos Açores e da Madeira que se mantêm com um total de 31 e 68 mortes por covid-19, respectivamente.

Portugal ainda é o país da UE com menos casos

Portugal continua a ser o país da União Europeia com a menor taxa de incidência da covid-19 pela sexta semana consecutiva, de acordo com os dados mais recentes divulgados esta quinta-feira, pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC, na sigla em inglês). O mapa a cores divulgado pelo ECDC mostra, porém, que a região do Algarve apresenta uma incidência superior ao resto do país.

Em termos de mortes, Portugal continua a ser também o segundo país da União Europeia (a seguir à Dinamarca) com menos óbitos por covid-19, contabilizando seis óbitos causados pela doença por milhão de habitantes, nos últimos 14 dias.

Ao contrário do que aconteceu no Natal, a Páscoa não levou a um aumento descontrolado da pandemia em Portugal. Mais de duas semanas depois, o país continua numa situação confortável em termos de número de novos casos e o número de internamentos continua mesmo a diminuir.