Produzir energia limpa é a nova “corrida à Lua” da cimeira do clima de Biden

A busca por tecnologias alternativas às dos combustíveis fósseis, que não libertem emissões com efeito de estufa, foi o tema do segundo dia da cimeira online convocada pelo Presidente dos EUA. Os desafios são ainda muitos.

Foto
"Temos um imperativo moral para as próximas gerações", disse Joe Biden ANNA MONEYMAKER / EPA

John F. Kennedy lançou um desafio à América, chegar à Lua em menos de uma década. “A nova corrida à Lua é conseguir que o mundo inteira tenha um sistema eléctrico barato, baseado em energia limpa e no qual se possa depender sempre”, afirmou a secretária da Energia dos Estados Unidos, Jennifer Granholm, no segundo dia da cimeira online sobre as alterações climáticas promovida pelo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

O foco neste segundo dia foram as soluções tecnológicas que estão a ser pensadas e os empreendedores que neste momento estão a trabalhar para conseguir o que Bill Gates disse ser necessário: “Precisamos de tecnologias mais baratas que as baseadas nos combustíveis fósseis, e neste momento nenhuma o é.”

Sem isso, não se consegue a transição para aquilo a que se chama uma economia verde, aliviada das emissões de dióxido de carbono (CO2) que aumentam o efeito de estufa da atmosfera e provocam as alterações climáticas. Mas há que deitar mãos à obra, e o segundo dia da cimeira de Biden mobilizou vários sectores do Governo norte-americano para trazerem à vista de todos, no YouTube, exemplos de investigação, nos EUA ou no estrangeiro, mas que podem ser úteis para a transição ecológica da economia norte-americana.

Limitar as emissões de CO2 para que a temperatura média do planeta não aumente mais de 1,5 graus em relação aos valores pré-industriais não será tarefa fácil. “Temos de investir na inovação e construir infra-estruturas para a transição para uma economia mais limpa”, avisou Bill Gates, e é para já. Além disso, que ninguém pense que pode trabalhar sozinho: Governos, empresas e filantropos têm de trabalhar juntos, “além de ser essencial a cooperação internacional”.

Fatih Birol, director executivo da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), alertou contra o risco da retórica demasiado exaltada. Apesar de os líderes que participaram na cimeira – uma antecâmara da 26.ª Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro das Nações Unidas que se realiza em Glasgow, na Escócia, em Novembro – apresentarem metas ambiciosas (uns mais que outros) para a redução das emissões, a verdade é que estamos ainda a produzir demasiados gases com efeito de estufa.

“Neste momento, os dados não correspondem à retórica e o fosso entre eles está a ficar cada vez maior”, afirmou Birol. O relatório anual da IEA, divulgado na semana passada, previa um crescimento da procura do carvão em 4,5% este ano, por exemplo, para satisfazer a procura crescente por energia eléctrica. As emissões globais de CO2 relacionadas com a energia estão projectadas para uma retoma e um crescimento até 4,8%, devido à procura de combustíveis fósseis, lia-se no relatório.

“Não estamos a recuperar da crise da covid-19 de uma forma sustentada e continuamos a avançar para níveis perigosos de aquecimento global”, afirmou Birol.

Joe Biden, ao encerrar a cimeira, mostrou-se optimista. “Conseguiremos fazer o que é preciso. É um imperativo moral para as próximas gerações”, disse o Presidente dos EUA.