7 dias, 7 fugas: dos sítios ao palato, a magia está no ar (e nos cravos)

Sugestões para uma semana mágica, com paragens em Coimbra, Condeixa-a-Nova, Montemor-o-Velho e Lisboa, sem esquecer a pedalada das Aldeias do Xisto e os sabores de Alcácer do Sal e de Castro Verde.

lazer,gastronomia,fugas,coimbra,lisboa,25-abril,
Fotogaleria
Sítios Mágicos em Coimbra, Condeixa-a-Nova e Montemor-o-Velho Alfredo Matos
lazer,gastronomia,fugas,coimbra,lisboa,25-abril,
Fotogaleria
Clássica nas Aldeias do Xisto DR
Bife
Fotogaleria
Semana Gastronómica do Borrego em Castro Verde DR
lazer,gastronomia,fugas,coimbra,lisboa,25-abril,
Fotogaleria
Noites luminosas no Magical Garden DR
lazer,gastronomia,fugas,coimbra,lisboa,25-abril,
Fotogaleria
Alcácer do Sal serve mais uma edição do Torrão Doce DR/CM Alcácer do Sal
Arquitetura
Fotogaleria
Piscina das Marés, em Leça da Palmeira GUIDO GUIDI

Sábado, 24: Sítios Mágicos na cartola

Neste fim-de-semana, Coimbra, Condeixa-a-Nova e Montemor-o-Velho transformam-se em Sítios Mágicos. É esse o nome da iniciativa alinhavada pelos municípios, com a curadoria do premiado ilusionista português Luís de Matos. A ideia é espalhar magia, em simultâneo (a partir das 9h), em locais emblemáticos dos três concelhos: o Convento São Francisco de Coimbra, o PO.RO.S - Museu Portugal Romano em Sicó de Condeixa e o Castelo de Montemor. O objectivo, sublinha a carta de princípios, é “dar a conhecer o património e dinamizar o turismo interno e as economias locais, envolvendo de forma directa as populações em experiências artísticas e culturais”. A cartola não se esgota nestes dois dias: marcará a paisagem cultural destes lugares ao longo de 12 meses, com espectáculos, visitas guiadas ao património, escolas e galas de magia. O programa, gratuito mas sujeito a reserva através da Ticketline, está disponível nas redes sociais das autarquias e no Facebook de Sítios Mágicos.

Domingo, 25: Onde vai estar no 25 de Abril?

Os 47 anos da Revolução dos Cravos celebram-se, este ano, a passo desconfinado, dentro e fora de portas. São vários os caminhos que apontam para a liberdade (aqui pode espreitar 25 sugestões para a comemoração). Um deles passa pela quarta edição da Clássica, a única prova do ciclismo nacional que começa e termina numa aldeia. Parte de Benfeita (Arganil), às 12h, e tem chegada prevista à meta, em Fajão (Pampilhosa da Serra), a partir das 15h30. Ao longo de um percurso de 142 quilómetros, “deslumbrante, sim, mas também exigente”, alerta a organização, “o pelotão vai, como sempre, misturar as suas cores com o caleidoscópio de flores que cobrem já a Serra do Açor, numa exuberância primaveril que antecipa os dias longos e quentes do Verão”. Cortada a meta, fica a promessa de que as Aldeias do Xisto se agitarão, em breve, com o anúncio de momentos como o festival XJazz, observações do céu, oficinas, cinema e outros convites “que nos ligam à terra, à natureza, ao desporto, à arte, ao céu e uns aos outros”.

Segunda, 26: Bioacústica em viagem

Uma pequena cigarra a produzir altos decibéis, morcegos em conversas imperceptíveis ao ouvido humano, baleias a cantar, peixes a falar, elefantes a escutar com os pés. Estas são algumas das descobertas – muitas delas surpreendentes – proporcionadas por Sons da Natureza, a série documental que a RTP2 estreia nesta segunda-feira, às 16h. À boleia de “caçadores de sons” e outros especialistas na ciência da bioacústica, vai a todos os continentes mergulhar em diversos ecossistemas, para captar e dar a ouvir sons produzidos por animais, dos ruídos mais simples às comunicações mais complexas. Realizada pelo premiado Jacques Mitsch, a viagem desenrola-se em três episódios/ambientes: debaixo de água, no ar e em terra.

Terça, 27: Torrão Doce à prova no online

Alcácer do Sal serve mais uma edição do Torrão Doce, este ano em formato exclusivamente digital. É através do online, no site e no Facebook do município, que são dadas a conhecer as maravilhas produzidas por 17 doceiros, com representantes da região mas também de outros pontos do país – Alcobaça, Vidigueira, Torres Novas, Alcáçovas e Ponte de Sor são alguns dos exemplos. A iniciativa decorre entre 27 de Abril e 2 de Maio e vem acompanhada com conteúdos e animação diária (concertos às 21h30), nas plataformas digitais. 

Quarta, 28: Borrego com todos

Na púcara, grelhado, em azeite, ensopado, em caldeirada ou assado no forno. Estas são algumas das modalidades escolhidas pelos restaurantes de Castro Verde para levar o borrego à mesa, sempre com “a mestria dos saberes tradicionais”, garante a organização. A Semana Gastronómica do Borrego decorre entre 23 de Abril e 2 de Maio e conta com a participação de uma dúzia de estabelecimentos da região. O evento é promovido pela autarquia, numa parceria com a Associação de Agricultores do Campo Branco e as Carnes do Campo Branco - Agrupamento de Produtores Pecuários.

Quinta, 29: Noites luminosas a’OCubo

Em Lisboa, o Jardim Botânico Tropical torna a abrir as portas do seu Magical Garden. Carimbado pelo ateliê OCubo, este percurso nocturno conta com mais de 20 instalações luminosas, paisagens sonoras e video mapping para, ao longo de um quilómetro, compor uma experiência sensorial que, pelo caminho, dá a conhecer as espécies que habitam o herbário e também algumas de outros tempos e lugares. À espera dos visitantes, até 3 de Junho, estão noites luminosas habitadas por budas, esfinges, dinossauros, elefantes, leopardos e pavões, entre outros. Para já, o jardim está aberto apenas à quinta e à sexta, a partir das 21h. Logo que as condições sanitárias o permitam, poderá ser visitado de quinta a domingo. As entradas custam entre 10€ e 17,50€ (crianças até aos três anos não pagam).

Sexta, 30: Arquitectura em diálogos

A reabertura da Casa da Arquitectura de Matosinhos às visitas presenciais trouxe uma nova exposição. Em Arquigrafias. Guido Guidi e Álvaro Siza podem ser vistas cerca de uma centena de imagens captadas pelo fotógrafo italiano Guido Guidi num diálogo com a obra arquitectónica de Álvaro Siza. Comissariada por Paula Pinto e Joaquim Moreno, a mostra centra-se em oito projectos de Siza (situados em Lisboa, Porto e Matosinhos) e pede o nome emprestado ao conceito de “fotografia escrita com a arquitectura, uma tentativa de fixar a passagem do conhecimento através das coisas e transportar a arquitectura ao encontro das ficções que inventa”, referem os curadores. Pode ser visitada de terça a sexta, das 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, das 10h às 13h, até 3 de Outubro. A entrada na galeria custa 4€, sendo gratuita ao domingo.