Os Verdes estão maduros para liderar a Alemanha e a Europa

Depois de quarenta anos, pela primeira vez a relevância (e a urgência) da agenda da ecologia política pode vir a mudar a governação num país do G7 e maior economia da União Europeia.

Começamos a saber que estamos velhos quando os jogadores de futebol são mais novos do que nós, e depois os polícias, e por último os potenciais chanceleres da Alemanha. Chanceleres da Alemanha? Sim. Annalena Baerbock, nascida em 1980, é desde anteontem candidata oficial dos Verdes alemães ao cargo que agora é ocupado por Angela Merkel. E, desde ontem, os Verdes alemães aparecem numa sondagem em primeiro lugar nas intenções de voto (e não é por uma pequena vantagem: os Verdes têm vinte e oito por cento nessa sondagem, contra os vinte e um por cento da CDU/CSU que agora governa a Alemanha) para as eleições que decorrem a 26 de setembro.