“Não é alterando critérios que alteramos a realidade” , diz o primeiro-ministro

António Costa diz que as regras fixadas em torno da pandemia de covid-19 “não são nem prémios nem castigos aos concelhos”, mas “normas de saúde pública” que são “adequadas à situação da pandemia que existe em cada concelho”.

Foto
LUSA/NUNO VEIGA

 O primeiro-ministro, António Costa, defendeu este Sábado que “não é alterando os critérios” para o desconfinamento que se altera a realidade e salientou que as normas são adequadas à evolução da pandemia em cada concelho.

“Não é alterando os critérios que nós alteramos a realidade, e a realidade é simples: quanto maior é a gravidade da situação mais estritas têm de ser as medidas, e foi essa tabela que foi fixada e agora temos de cumprir. Eu percebo que é obviamente desagradável, temos é que trabalhar todos para daqui a 15 dias já esteja tudo em verde e possa tudo avançar para a próxima fase de desconfinamento”, afirmou o primeiro-ministro.

António Costa falava aos jornalistas em Lisboa, à margem da condecoração da judoca Telma Monteiro com a medalha de Honra ao Mérito Desportivo, onde foi questionado sobre a contestação por parte dos autarcas dos concelhos que recuaram no desconfinamento.

À saída do Altice Arena, onde decorrem os Europeus de Judo, o chefe de Governo insistiu que as regras fixadas em torno da pandemia de covid-19 “não são nem prémios nem castigos aos concelhos”, mas “normas de saúde pública” que são “adequadas à situação da pandemia que existe em cada concelho”.

Questionado se o Governo pondera rever os critérios de desconfinamento para concelhos com menor densidade populacional, o primeiro-ministro salientou que “houve um critério feito com uma base científica por uma equipa liderada pelo professor Óscar Felgueiras e pela professora Raquel Duarte, que foi muito debatido”, e “os critérios foram tornados públicos, são por todos conhecidos”.

“Os critérios têm uma enorme vantagem, é que todos podemos saber e ir acompanhando dia a dia como é que está a evoluir a situação em cada concelho e não é esperar de 15 em 15 dias pelo resultado, o resultado vai-se construindo ao longo desses 15 dias”, defendeu.

“E felizmente nos 15 dias anteriores houve vários concelhos que tiveram uma evolução positiva, e portanto puderam sair da situação de risco em que estavam, e a generalidade do país pode avançar para a próxima fase do desconfinamento na próxima segunda-feira, houve outros que tiveram de manter as actuais regras e outros que tiveram de recuar”, notou ainda António Costa.

Momentos antes, falando à imprensa dentro do pavilhão, o primeiro-ministro foi questionado também sobre a vacinação contra a covid-19 dos atletas que vão representar Portugal nos Jogos Olímpicos, e respondeu que “a task-force do processo de vacinação tem bem consciência de quais são as necessidades e esse vai ser um não problema”.

Na quinta-feira, António Costa anunciou que quatro concelhos vão recuar à primeira fase do desconfinamento e que outros sete permanecem na fase actual, a segunda, mas uma revisão em baixa da incidência de casos em Beja divulgada hoje pela Direcção-geral da Saúde (DGS) permitirá a este concelho avançar no desconfinamento com a generalidade dos 278 concelhos do país.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.000.955 mortos no mundo, resultantes de mais de 139,8 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.942 pessoas dos 830.560 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da DGS.