Uso de duas máscaras pode quase duplicar a eficácia da filtragem do SARS-CoV-2

Investigadores avisam que é importante ter as máscaras bem ajustadas à cara.

Foto
Rui Gaudêncio

Um estudo publicado esta sexta-feira na revista JAMA Internal Medicine mostra que o uso de duas máscaras faciais pode quase duplicar a eficácia da filtragem de partículas do SARS-CoV-2, evitando assim que cheguem ao nariz e à boca. E quais os motivos? Não é tanto porque as camadas de tecido ou de outro material aumentam, mas porque se podem eliminar falhas ou áreas pouco cobertas por uma só máscara.

Para testar a eficácia da filtragem de máscaras, uma equipa liderada por Emily Sickbert-Bennett (da Faculdade de Medicina da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos) analisou máscaras individuais e combinações de máscaras numa câmara de exposição. Verificou-se que a eficácia da filtragem depende de pessoa para pessoa, devido ao formato da cara ou de como a máscara é ajustada. Se no geral as máscaras cirúrgicas tiveram uma eficácia entre os 40 e os 60%, as de tecidos tinham uma eficácia de 40%.

Mais: quando se colocava uma máscara de tecido por cima de uma cirúrgica, a eficácia de filtragem melhorava em 20%. De acordo com a equipa, quando se punham máscaras de tecido por cima das cirúrgicas, eliminavam-se espaços deixados apenas com uma cirúrgica e cobria-se mais o nariz e a boca. Já quando uma máscara cirúrgica era colocada por cima de uma de pano, a eficácia da filtragem aumentava 16%.

“As máscaras cirúrgicas foram concebidas para ter um potencial de filtragem muito bom com base no seu material, mas a forma como são colocadas nem sempre é perfeita”, nota Emily Sickbert-Bennett, num comunicado da sua instituição sobre o trabalho.

E, embora se tenha visto que duas máscaras aumentam a filtragem das partículas do SARS-CoV-2, a investigadora ressalva: “Percebemos que o uso de duas máscaras mal ajustado à cara não traz os benefícios que uma máscara cirúrgica bem posta traz.” Por isso, a cientista alerta que a melhor protecção é mesmo quando a própria pessoa e os outros com quem ela contacta de forma próxima usam as máscaras bem ajustadas à cara.