Este hotel flutuante gira sobre si próprio para gerar energia eléctrica

O projecto do estúdio HAADS está em marcha. Destino: Qatar. Visa minimizar a intervenção no equilíbrio ecológico, incluindo a não utilização de combustíveis fósseis em nenhuma fase. O hotel flutuante poderá estar a girar na água em 2025. Será o mar quem fornecerá à estrutura “força física e tangível”.

fugas,arquitectura,turismo,ambiente,qatar,energia,
Fotogaleria
HAADS
fugas,arquitectura,turismo,ambiente,qatar,energia,
Fotogaleria
HAADS
fugas,arquitectura,turismo,ambiente,qatar,energia,
Fotogaleria
HAADS
fugas,arquitectura,turismo,ambiente,qatar,energia,
Fotogaleria
HAADS

As imagens que estão a ver são maquetas, esboços e modelos à escala. São esquemas futuristas de um projecto que mistura eficiência energética sustentável com design fora de série. Embora não haja ainda uma data exacta para a conclusão das obras, a estrutura deste Eco-Floating Hotel, pensado como um hotel cinco estrelas de 152 quartos implementado numa área de 35 mil metros quadrados, poderá estar concluída lá para 2025.

Aos poucos, começa a ganhar forma a perspectiva futurista de Hayri Atak, arquitecto e designer turco cujos projectos, de formas mutantes e alienígenas, desafiam a gravidade e muitas vezes a lógica da natureza onde assentam. Desta vez, a sua equipa reforçou-se com consultores de diferentes áreas, desde engenheiros de construção naval e arquitectos navais, de forma a criarem um projecto móvel, capaz de atracar no Qatar — primeiro destino previsto — ou em qualquer sítio no mundo onde se verifiquem as condições óptimas, nomeadamente locais onde exista mar, a grande inspiração do projecto, e correntes marítimas contínuas e regulares que alimentem os seus mecanismos de uma forma sustentável e eficiente.

Foto
HAADS

A planificação do Eco-Floating Hotel começou em Março de 2020 e esta primeira etapa durou seis meses. Agora, segundo o Hayri Atak Architectural Design Studio (HAADS), é seguro dizer-se que o projecto pressupõe uma “perda mínima de energia e desperdício zero”, ponto essencial desde a sua génese. “Devido a um movimento característico, o hotel gera energia eléctrica girando em torno da sua posição de acordo com as correntes da água, oferecendo aos utilizadores diferentes experiências de perspectiva”, explicou o estúdio à Fugas. A estrutura conclui uma volta completa em 24 horas.

HAADS
HAADS
HAADS
Fotogaleria
HAADS

Será o mar quem fornecerá à estrutura “força física e tangível”, simultaneamente recebendo o retorno de que necessita “sob a ideia de vórtice”. À semelhança de um filme de ficção científica, a imagem que alimentou o projecto foi a de uma “silhueta de massa transparente”. “A ideia do vórtice, que reflecte o efeito rotacional encontrado na superfície da água para a cobertura superior da estrutura, não fica apenas nesta camada, infiltrando-se na massa da estrutura como um efeito capilar”, explica o estúdio de design, a navegar por mares nunca antes navegados.

Fotogaleria

À superfície, a estabilidade de toda a estrutura será apoiada por um sistema DP (de posicionamento dinâmico), controlado por computador e frequentemente usado em navios. Neste caso específico servirá para que a rotação possa ser fixada e a posição da plataforma possa ser mantida. Num projecto que visa encontrar o equilíbrio ecológico, a produção de energia verde será garantida por uma turbina eólica no eixo vertical com uma dupla função de guarda-sol na faixa costeira capaz de atrair 25 kW de energia por cada um dos 55 módulos.

Outro ponto considerado em termos de produção de energia é o aproveitamento efectivo das áreas verdes e das águas pluviais. A cobertura superior do hotel inspirada no vórtice também desempenha a função de recolher a água da chuva. A restante água necessária será obtida por purificação da água do mar. Relativamente à produção de outros resíduos, pretende-se desenvolver unidades de separação e utilizar, por exemplo, os resíduos alimentares como fertilizante na paisagem.

Foto

Especificidades técnicas à parte, o acesso ao hotel flutuante ocorrerá de três formas diferentes. A primeira dessas vias de acesso será por meio de um pontão flutuante de 140 graus — que permitirá o acesso por via terrestre a qualquer hora —, a outra será por meio de barco e, finalmente, por helicóptero e drone até ao heliporto localizado no cais flutuante.

O hotel, que terá um hall de 700 metros quadrados no centro, possui piscinas interior e exterior, sauna, spa, ginásio e um mini campo de golfe. Cada um dos 152 quartos terá a sua própria varanda panorâmica. De referir que todas as plataformas do hotel, incluindo a sua ligação com terra, serão plataformas flutuantes. Teoricamente, o Eco-Floating Hotel poderá ser arrendado sazonalmente e poderá ser movido para a área desejada.