“Julgar o regime e a democracia”

Se a justiça não o condenar, a História julgará José Sócrates por ter contribuído como poucos para o avanço do neofascismo em Portugal.

Foi “uma alegre sexta-feira para André Ventura”, como lhe chamou nestas páginas Ana Sá Lopes. É claro que muita água passará por debaixo das pontes da justiça até que saiam sentenças definitivas, mas é óbvio que a também alegre sexta-feira que tiveram Sócrates, Salgado, Bava e Granadeiro vai ter consequências (veremos se passageiras; eu duvido) no agravamento da crise de legitimidade do nosso sistema democrático. A perceção cada vez mais negativa que dele tem uma grande parte da sociedade atinge níveis muito perigosos, especialmente no contexto depressivo e ansiógeno que a pandemia instalou por muito tempo.