“Rapaz, a gente nunca trabalha com as mãos, é com a cabeça”

Até ao fim, nunca perdeu a elegância nem o orgulho em tudo o que tinha conquistado com o trabalho das suas mãos. Homem do campo, autodidacta, viu o filho tornar-se médico e os netos todos se licenciarem. O P2 tem agora uma página regular de obituário. De forma simbólica, até à próxima edição lembraremos pessoas que nos deixaram por causa da covid-19.

Foto
“Ele tinha uma inteligência que vinha de uma experiência sábia de fazer as coisas, da vida”

Nas suas histórias podia não acontecer nada de especial, mas havia sempre uma conclusão interessante e ele aparecia nelas como alguém que sabia estar do lado certo das coisas.