Equatorianos divididos entre o regresso do correísmo e a direita tradicional

Nas últimas semanas, Andrés Arauz tentou livrar-se do rótulo de protegido de Rafael Correa, enquanto Guillermo Lasso agitava o fantasma da volta do ex-Presidente.

america-sul,mundo,eleicoes,equador,america,
Fotogaleria
Depois de ganhar a primeira volta com margem confortável, Andrés Arauz viu o seu adversário, Guillermo Lasso, aproximar-se tanto que tornou o resultado imprevisível Jose Jacome/EPA
america-sul,mundo,eleicoes,equador,america,
Fotogaleria
Equatorianos escolhem o novo Presidente este domingo LUISA GONZALEZ / Reuters

Mais de dois meses depois, os equatorianos regressam este domingo às urnas para a segunda volta das eleições presidenciais. A decisão volta a estar ancorada nas forças e personagens políticas que têm marcado a última década: de um lado está o economista de 36 anos, Andrés Arauz, o representante do ex-Presidente Rafael Correa e do seu movimento político; e do outro está o banqueiro Guillermo Lasso, de 65 anos, que tenta pela terceira vez chegar ao Palácio de Carondelet.

Sugerir correcção
Comentar