Contagiar a escola de papel com a escola digital

Nem tudo foi mau. E o confinamento trouxe necessidades de adaptação de todos (alunos, professores, pais e escolas em geral) que foram positivas.

Foto
Vasco Mata

A pandemia covid-19 implicou o encerramento das creches, escolas e universidades de todo o país, por mais de que uma vez, com a suspensão de todas as atividades letivas presenciais, e o confinamento dos alunos e dos professores em suas casas. Por isso, os anos letivos 2019/2020 e 2020/2021 vão ficar para a história da educação. Primeiro, pelas razões negativas associadas às consequências sociais, emocionais, psicológicas e físicas da suspensão da formação presencial. Mas também porque tornaram visíveis e permitiram tomar consciência de necessidades e possibilidades do sistema educativo para garantir a igualdade de oportunidades educativas, o envolvimento dos pais e o uso de um processo de ensino-aprendizagem mais ligado ao contexto de vida atual das crianças e jovens.