Design

A Casa do Design recorda todo o desenho possível de Tom, referência no design português

A exposição TOM - Todo o desenho possível recorda as ilustrações de Tom, nome artístico de Thomaz de Mello, artista gráfico luso-brasileiro do século XX. É inaugurada esta sexta-feira, 9 de Abril, e fica até 16 de Maio na Casa do Design, em Matosinhos. 

Fotogaleria

A Casa do Design, em Matosinhos, inaugura esta sexta-feira, 9 de Abril, uma exposição dedicada a Thomaz de Mello, artista gráfico luso-brasileiro de pseudónimo Tom, com obra referencial na ilustração, banda desenhada e publicidade, entre as décadas de 1920 e 1980.

A exposição TOM - Todo o desenho possível inclui ilustrações originais, publicações, figuras etnográficas, material gráfico e fotográfico, e outros elementos que “dão a conhecer a obra de uma das personalidades mais fascinantes das artes visuais portuguesas do século XX, cuja actividade de ilustrador e designer se desenvolveu desde os anos 20 até à sua morte, em 1990”, explica a Casa do Design, em comunicado.

A mostra é organizada em parceria pelas câmaras municipais de Matosinhos e de Setúbal e pela esad-idea, com curadoria de Jorge Silva, designer de comunicação, investigador e coleccionador. De acordo com a organização, esta exposição realiza-se no seguimento da exposição Os Bonecos de TOM, apresentada na Festa da Ilustração de 2020 em Setúbal, e faz-se acompanhar da publicação de carácter monográfico Tom: ilustração e design, co-editada com a Arranha-céus. A exposição ficará patente até 16 de Maio e terá um programa paralelo, apresentado “em breve”.

Citado no comunicado, o curador Jorge Silva refere que a “quem interessa entender a história do design português durante o século XX não deverá deixar de dedicar a devida atenção a um dos seus designers maiores, com actividade intensa entre as décadas de 1920 e 1980, multiplicando-se pela ilustração, design gráfico, design expositivo, design de interiores, design de mobiliário, design têxtil, de vidro e cerâmica”. O curador salienta também “o lado empresarial e o sentido cooperativo” que destacam Thomaz de Mello “como protagonista ímpar e de extraordinária relevância para o design português”.

Tom, nome artístico de Thomaz de Mello, nasceu no Rio de Janeiro em 1906 e emigrou, em 1928, para Portugal, onde morreu em 1990. De acordo com informações disponibilizadas pela organização da exposição, Tom foi “um dinâmico empresário”, co-responsável pela UP, a primeira galeria de arte moderna em Portugal, em 1933, e pela loja de mobiliário contemporâneo Artécnica, nos anos 1970.

Colaborou com os organismos oficiais de propaganda do Estado Novo, designadamente nos materiais de divulgação turística, e foi pioneiro nas artes do ferro forjado, mobiliário, vidro soprado, cerâmica e tapeçaria, com foco na modernização das artes populares, de que se destacam os seus bonecos regionais portugueses (duas séries, uma em 1939, outra em 1969), figuras de madeira esculpidas ao torno e pintadas em cores vivas.

"Que o corpo cristalino deixa ver-se / Que tanto bem não é para esconder-se", tinta-da-china e redes gráficas sobre papel, 35 cm por 45 cm.
"Que o corpo cristalino deixa ver-se / Que tanto bem não é para esconder-se", tinta-da-china e redes gráficas sobre papel, 35 cm por 45 cm. Thomaz de Mello
Revista ABC, n.º 462, de 1929.
Revista ABC, n.º 462, de 1929. Thomaz de Mello
Revista O Papagaio, n.º 5, de 1935.
Revista O Papagaio, n.º 5, de 1935. Thomaz de Mello
Cartaz Portugal – Pays aux Mille Couleurs (em português, Terra das Mil Cores), de 1959.
Cartaz Portugal – Pays aux Mille Couleurs (em português, Terra das Mil Cores), de 1959. Thomaz de Mello
Minho, Estremadura, Minho, Estremadura – bonecos regionais portugueses, 2.ª série, de 1969.
Minho, Estremadura, Minho, Estremadura – bonecos regionais portugueses, 2.ª série, de 1969. Thomaz de Mello
Briquetes Pejão – cartão de Ano Novo de 1951.
Briquetes Pejão – cartão de Ano Novo de 1951. Thomaz de Mello
Retrato de Tom, nome artístico de Thomaz de Mello.
Retrato de Tom, nome artístico de Thomaz de Mello.
Sem título, guache sobre papel (21 x 29 cm).
Sem título, guache sobre papel (21 x 29 cm). Thomaz de Mello
Revista Ilustração, n.º 122, de 1931.
Revista Ilustração, n.º 122, de 1931. Thomaz de Mello
Sugerir correcção