Vem aí um disco carregado de SAL. E traz um Passo forte como aperitivo

Não são o sal da Terra, no sentido bíblico, mas são o SAL da música portuguesa. Quatro vêm dos Diabo na Cruz, onde estiveram mais de dez anos: Sérgio Pires (voz e guitarra), Daniel Mestre (guitarras), João Gil (baixo) e João Pinheiro (bateria). Junte-se-lhes agora Vicente Santos (teclados) e temos os SAL, que preparam um primeiro álbum para lançar ainda este ano.

Mas vão adiantando já ao que vêm num single que se estreia esta sexta-feira às 10h: Passo Forte. “Esta foi a primeira canção, o toque de caixa, a chama necessária para encararmos o futuro com confiança e para finalmente enterrarmos o passado que nos tinha ficado nas mãos”, dizem, ao anunciar este tema. “É, de certa forma, uma canção paradoxal, no sentido em que se apresenta como uma ruptura com o passado sobre o qual ela própria assenta. Um paradoxo aparente, na medida em que o nosso futuro está inevitavelmente ancorado no nosso passado.” Realizado por Richard F. Coelho, o videoclipe pretende fazer “uma analogia entre o jogo de xadrez e a vida: o jogador tem de tomar decisões no tabuleiro (da vida) – avançar, recuar, atacar, defender-se. Mas uma coisa tem sempre que acontecer: mover-se. Por outro, apresenta uma mulher inertemente presa num relacionamento tóxico que a conduz à autodestruição e à sua anulação como pessoa. Parte à procura de liberdade dando um passo forte em frente para vencer este ‘jogo’.”

Na gravação de Passo Forte, com música dos SAL e letra de Lília Esteves, estiveram Sérgio Pires (voz, braguesa), João Gil (baixo, teclados, coros), João Pinheiro (bateria, percussões, coros), Daniel Mestre (guitarra, coros), Vicente Santos (teclados), Manuel Pinheiro (electrónica, coros) e Bernardo Barata (coros). O videoclipe é protagonizado por Nídia Roque.

Sugerir correcção