Gus Van Sant vai encenar o seu primeiro musical — em Lisboa, e com Legendary Tigerman

O cineasta norte-americano é um dos primeiros nomes avançados para a próxima edição da BoCA – Biennial of Contemporary Arts, que em 2021 se dividirá entre Lisboa, Almada e Faro. O Barco de Grada Kilomba, proposta que não saiu vencedora do concurso para o futuro memorial às vítimas da escravatura, será outro dos projectos em destaque.

Foto
Pascal Le Segretain/ getty images

Cineasta, argumentista, fotógrafo, pintor, músico, artista visual — e brevemente, numa sala muito perto de nós, também encenador. Gus Van Sant, o aclamado autor de filmes de culto como No Trilho da Droga (1989), A Caminho de Idaho (1991), Paranoid Park (2007) ou Milk (2008), vai estrear em Setembro no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, a sua primeira criação para palco, um musical inspirado no viveiro criativo e no potencial transformador da Factory de Andy Warhol. Juntamente com Grada Kilomba, o realizador norte-americano é um dos dois artistas residentes da BoCA – Biennial of Contemporary Arts para o biénio 2021/22, avançou ao PÚBLICO John Romão, o director da bienal cuja terceira edição decorrerá de 3 de Setembro a 17 de Outubro entre Lisboa, Almada e Faro.