A cultura partidária explica como Costa protegeu o PS da Operação Marquês

Com um SMS, Costa parece ter protegido o PS de ataques por causa de Sócrates. Mas apenas pôs em prática o acordo tácito entre partidos que é fruto de uma cultura política que vive do clientelismo e que se instalou em Portugal logo a seguir ao 25 de Abril.

Foto
António Costa conseguiu "ser herdeiro e não ser legatário" de José Sócrates, afirma António Barreto Rui Gaudêncio

A 21 de Novembro de 2014, o ex-primeiro-ministro e antigo secretário-geral do PS José Sócrates é preso como suspeito na investigação da Operação Marquês. Nessa sexta-feira e no sábado seguinte, decorriam as eleições internas no PS que levaram António Costa à liderança. No sábado de manhã, Costa envia um SMS aos militantes a separar o PS do caso.