O novo desenvolvimento da China traz oportunidades ao Mundo

A cada vez maior abertura da China vai trazer novas oportunidades para todos os países, incluindo Portugal.

As duas sessões da China, a saber, a sessão da Assembleia Popular Nacional (APN) e a sessão do Comité Nacional da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), concluíram-se de forma bem-sucedida, e receberam ampla atenção em todo o mundo. As duas sessões resumiram o trabalho do último ano do Governo chinês e os principais trabalhos do período de vigência do 13.º plano quinquenal e fizeram o planeamento integral para o futuro.

Em 2020, a China conquistou importantes êxitos estratégicos no controlo e tratamento da covid-19 e obteve progressos positivos tanto na resposta à covid-19 como no desenvolvimento económico e social. A China foi a única das principais economias do mundo que teve crescimento positivo. De acordo com os critérios atuais, todos os 55,75 milhões de indivíduos da população rural pobre foram retirados da pobreza – a erradicação da pobreza obteve um completo sucesso. O PIB da China ultrapassou os 100 trilhões de yuan, obtendo um crescimento homólogo de 2,3%. O nível de vida do povo cresceu significativamente e foram criados mais de 60 milhões de novos empregos. Além disso, a China construiu o maior sistema de segurança social do mundo. 

Para o período dos próximos cinco anos e doravante, a China vai agarrar bem as oportunidades trazidas pela nova fase de desenvolvimento, implementar um novo conceito de desenvolvimento baseado em inovação, coordenação, sustentabilidade, abertura e compartilhamento, e forjar um novo paradigma de desenvolvimento no qual a circulação doméstica é o pilar e as circulações interna e internacional se reforçam. Queremos um desenvolvimento de maior qualidade, mais eficiente, mais justo, mais sustentável e mais seguro. A abertura da China vai tornar-se ainda mais abrangente e profunda e vai englobar mais sectores. Ao aprofundar o seu desenvolvimento, a China vai disponibilizar todo um mercado a nível mundial, que vai trazer novas oportunidades para todos os países, incluindo Portugal. 

A China é o mercado com o maior potencial a nível global, e vai trazer mais oportunidades para todos os países. Para 2021, prevê-se um crescimento económico acima de 6%. Daqui a cinco anos, a taxa de urbanização chinesa será elevada para 65% e a diferença entre o rendimento dos residentes urbanos e rurais vai reduzir-se constantemente. Para os próximos dez anos, a classe média da China vai crescer dos actuais 400 milhões para 800 a 900 milhões de pessoas. O volume total de importações chinesas de mercadorias ultrapassará os 22 bilhões de USD, o que vai proporcionar um amplo mercado para produtos, tecnologia e serviços de qualidade para todos os países, incluindo Portugal. 

A China compartilha oportunidades de desenvolvimento com todos os países. É o maior parceiro económico de mais de 130 países e regiões e é um dos países com maior abertura no mundo. No ano passado, foi concluída a negociação do tratado bilateral de investimento (BIT) China-UE. A China, Japão, República da Coreia, Austrália, Nova Zelândia e mais dez membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático assinaram a Parceria Económica Regional Abrangente (RCEP, sigla em inglês), o que demonstra a firme determinação chinesa de se integrar ainda mais no mundo. A abertura chinesa vai ser cada vez maior e a China vai salvaguardar o sistema multilateral de comércio, promover a libertação e facilitação do comércio e investimento, continuar a forjar um ambiente de negócios internacionalizado, orientado para o mercado, baseado em leis. As empresas de todos os países, incluindo empresas portuguesas, beneficiarão das oportunidades trazidas pela China.

A China está disposta a reforçar a cooperação tecnológica e de inovação com todos os países do mundo e a compartilhar o seu desenvolvimento tecnológico. Nos últimos cinco anos, os fundos investidos pela China em investigação e desenvolvimento (I&D) foram os segundos maiores do mundo. A China classifica-se em 14.º lugar no ranking do Índice Global de Inovação e é a primeira economia de renda média mais inovadora. Prevê-se que, nos próximos cinco anos, os gastos com I&D da China crescerão mais de 7% ao ano. A estratégia orientada para a inovação vai ajudar a actualizar indústrias tradicionais, reforçar indústrias emergentes estratégicas e forjar novas vantagens na economia digital. Aprofundar a cooperação em ciência e tecnologia e a inovação nas indústrias será um “novo terreno” de cooperação entre a China e o resto do mundo. 

A China vai implementar a economia verde para promover o desenvolvimento sustentável mundial e a cooperação internacional na indústria verde. Há muitos anos consecutivos que somos o maior investidor mundial em energia renovável. Possuímos a maior capacidade instalada de energia renovável e de geração de energia eléctrica no mundo. A China prevê que, nos próximos cinco anos, o consumo de energia por unidade do PIB recue 13,5%, as emissões de dióxido de carbono 18%, a taxa de cobertura florestal da China suba para 24,1% e o peso da energia não fóssil na matriz de energia primária para 20%.

China e Portugal comprometem-se solenemente a alcançar a neutralidade carbónica em 2060 e 2050, respectivamente. A parte chinesa está disposta a reforçar a cooperação com a parte portuguesa, a optimizar a estrutura industrial e a matriz energética e a desenvolver indústrias energeticamente eficientes e eco-amigáveis, para contribuir ainda mais para a recuperação verde da economia global.