Houve 58 casos positivos nos 35 mil testes rápidos realizados nas creches

Taxa de positividade é de 0,16%, em linha com o que aconteceu nas escolas na semana em que foram retomadas as actividades presenciais. Esta semana estão a ser testados cerca de 150 mil profissionais de educação.

Foto
Paulo Pimenta

Os cerca de 35 mil testes realizados na semana em que as crianças voltaram às creches permitiram detectar 58 casos de profissionais infectados com o novo coronavírus. Estes números estão em linha com que o que foi verificado nas escolas do 1.º ciclo e no ensino pré-escolar na mesma altura.

Os dados são avançados ao PÚBLICO pelo Instituto da Segurança Social e dizem respeito à semana de 15 a 23 de Março, quando foram retomadas as actividades nas creches. O processo de testagem envolveu as creches da rede solidária, das IPSS, e os estabelecimentos de pré-escolar que são geridos por estas entidades, além das creches privadas.

Os 58 “positivos” em 35 mil testes realizados correspondem a uma taxa de positividade de 0,16%. Na mesma semana, foram feitos 82 mil testes nos estabelecimentos públicos e privados do pré-escolar e 1.º ciclo, que detectaram 80 casos de covid-19. Ou seja, a taxa de positividade nas escolas foi inferior a 0,1%, como tinha avançado na altura o Ministério da Educação.

As percentagens de casos positivos registadas tanto nas creches como nas escolas está em linha com os resultados da primeira fase de testagem, que tinha arrancado a 20 de Janeiro, antes da interrupção das aulas, e que continuou nas escolas de acolhimento durante o tempo de ensino à distância. Nesse período foram feitos mais de 65 mil testes, com uma taxa de casos positivos de 0,15%.

Esta semana, arrancou uma nova segunda fase de testagem nas escolas públicas e privada, coincidindo com o início do 3.º período lectivo e com a retoma das actividades presenciais dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico. Está previsto que sejam testados cerca de 150 mil trabalhadores docentes e não docentes até à próxima sexta-feira.

Além de professores e funcionários dos 2.º e 3.º ciclos (do 5.º ao 9.º ano) estão a ser testados de novo os trabalhadores da educação pré-escolar e do 1.º ciclo, incluindo os da “Escola a Tempo Inteiro”, nos concelhos com taxa de incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Os professores e funcionários não docentes do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico voltam a ser alvo de testagem entre 19 e 23 de Abril nos concelhos com maior incidência de covid-19. Na mesma altura, está prevista a reabertura do ensino secundário, sendo testados os professores e funcionários desse nível de ensino, além do estudantes, que são os únicos a ser testados de acordo com os critérios decididos pela Direcção-Geral de Saúde.

O processo é semelhante ao dos restantes níveis de ensino. Num primeiro momento, que vai até 23 de Abril, são feitos testes em todas as escolas de Portugal continental. Depois, entre 3 e 7 de Maio, o mesmo grupo volta a ser testado, novamente só nos concelhos de Portugal continental com mais casos positivos.