Um festival de caminhadas para descobrir o “imenso património” do Parque Natural da Arrábida

Com estreia marcada para o final de Maio, o Arrábida Walking Festival andará de passo marcado pela arqueologia do lugar. As inscrições já estão abertas.

Parque Natural da Arrábida
Fotogaleria
Ermida da Memória, Cabo Espichel daniel rocha
pglobal,natureza,passeios,arrabida,fugas,setubal,
Fotogaleria
Parque Natural da Arrábida daniel rocha
Fotogaleria
Sítio arqueológico Castro de Chibanes daniel rocha
Fotogaleria
Parque Natural da Arrábida daniel rocha
Castelo de palmela
Fotogaleria
Castelo de Palmela DR/CM Palmela
pglobal,natureza,passeios,arrabida,fugas,setubal,
Fotogaleria
Capela do Forte de São Filipe daniel rocha
pglobal,natureza,passeios,arrabida,fugas,setubal,
Fotogaleria
Ermida da Memória, Cabo Espichel daniel rocha
Fotogaleria
Santuário de Nossa Senhora da Pedra Mua, Cabo Espichel daniel rocha
pglobal,natureza,passeios,arrabida,fugas,setubal,
Fotogaleria
Vista para o rio Sado a partir do Forte de São Filipe daniel rocha
,Grândola
Fotogaleria
Ruínas Romanas de Tróia DR

Um ano e um par de adiamentos depois, o Arrábida Walking Festival está pronto a mostrar os “valores naturais e culturais” do Parque Natural da Arrábida. Uma viagem no tempo, feita de trilhos com história e vistas de tirar o fôlego, num percurso com mais de uma centena de quilómetros onde a biodiversidade vai de braço dado com a herança de mais de seis mil anos desta área protegida.

A arqueologia é, aliás, o ponto de partida para esta primeira edição, reagendada para os próximos dias 28 a 30 de Maio, numa iniciativa conjunta da Biotrails e dos Municípios de Palmela, Setúbal e Sesimbra

A Grande Rota Arqueológica começa com o percurso “Entre Castelos”, com partida no Castelo de Palmela e paragens no Forte de São Filipe e nos conventos de São Paulo e dos Capuchos (sexta, a partir das 18h). No mesmo dia, podem ver-se as vistas da "Serra do Louro by Night” – um percurso circular nocturno com estações no Castelo de Palmela, serra do Louro, Castro de Chibanes e Alto da Queimada –, e passear “De São Luís a Palmela”, pelas serras de São Luís e dos Gaiteiros. O direito ao descanso e ao convívio é assegurado na Adega da Casa de Atalaia, onde não faltará a tradicional sopa caramela para aconchegar o estômago.

A marcar o ritmo dos outros dois dias de festival estão caminhadas pelas serras de São Francisco, dos Pinheirinhos, da Azóia, da Achada e da Arrábida, e um mapa com coordenadas a apontar para o Palácio da Bacalhôa, os fortes de Santiago, de São Teodósio da Ponta do Cavalo e de São Domingos da Baralha, o Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel, a Ermida da Memória, a Roça do Casal do Meio, a Lapa da Cova ou os Conventos de Alferrara. 

Outros momentos em destaque: as visitas guiadas aos Moinhos de Vento, ao Museu Marítimo de Sesimbra e aos centros históricos de Setúbal e de Palmela; e os percursos arqueológicos pelas Ruínas Romanas de Tróia e pelo Portinho da Arrábida.

Num programa que se cruza com uma série de caminhos complementares, onde entram propostas para crianças e jovens, acompanha-se o passo com histórias sem esquecer os condimentos, estando previstas degustações e provas de licores e vinhos na Casa do Arrabidine e na Quinta do Piloto. 

A cada rota, o seu desafio: entre caminhadas de baixa e média dificuldade, com três a cinco horas de duração, o festival promete seguir as pegadas da História cumprindo, claro está, as normas de segurança em vigor (a redução do número de participantes por actividade e os percursos simultâneos em sentidos opostos são disso exemplo).

Cada passeio custa 13€ (inclui seguro de acidentes pessoais, transferes, acesso ao programa complementar e uma oferta); o passe do festival está disponível por 24€. A partir de 15 de Maio, os preços passam, respectivamente, para 15€ e 28€. Programa e formulário de inscrição podem ser consultados no site da Biotrails, mas fica a ressalva: algumas das actividades já se encontram lotadas.