CP denuncia contrato com grupo Lufthansa e lança novo concurso para os bares dos comboios

Transportadora quer um novo contrato para o período pós pandemia com um serviço menos sofisticado a bordo.

Foto
Nelson Garrido

A CP avisou no dia 31 de Março a LSG - Lufthansa Service Holding AG, empresa que detém a concessão dos bares dos comboios Alfas e Intercidades, que vai denunciar o contrato em vigor e está já a preparar um concurso para uma nova concessão a ter início a 1 de Agosto. O aviso foi feito com quatro meses de antecedência, ao abrigo de uma cláusula que permite interromper o contrato sem motivo. Até 31 de Julho, porém, a actual concessionária deverá assegurar o serviço logo que as condições sanitárias permitam reabrir os bares dos comboios.

A LSG é o maior fornecedor mundial de catering e pertence ao grupo Lufthansa, o qual vendeu em 2019 uma parte do capital da sua subsidiária à multinacional suíça Gategroup Holding.

O contrato com a CP data de 1 de Dezembro de 2018 e deveria terminar a 31 de Novembro deste ano, mas as interrupções provocadas pela pandemia levaram a alterações ao serviço que não foram bem acolhidas pela LSG, o que levou a transportadora a querer começar do zero com um novo contrato a partir do Verão.

A exploração dos bares nos serviços Intercidades e Alfa Pendular é deficitária, pelo que a CP paga entre 110 a 120 mil euros por mês ao concessionário. Este obriga-se a ter um funcionário em cada Intercidades e três no Alfa Pendular, uma vez que nestes comboios há atendimento personalizado ao lugar na classe conforto.

Com a pandemia, os bares dos comboios fecharam a 19 de Março do ano passado e só reabriram em 18 de Agosto. Em 15 de Janeiro, com o novo confinamento, voltaram a fechar e é expectável que só reabram a 19 de Abril. Com os bares fechados, os 122 funcionários da LSG ficaram em casa, em layoff, tendo a concessionária acordado com a CP que receberia o valor da concessão menos aquilo que tinha poupado com o layoff.

Em contrapartida, a CP – para evitar que houvesse despedimentos do pessoal dos bares – pediu à LSG que redistribuísse os seus funcionários colocando dois a trabalhar nos Intercidades e dois nos Alfas (em vez de um nos Intercidades e três nos Alfas), mas o concessionário recusou.

A ideia agora é pôr fim a um acordo cujas regras foram mudadas devido à pandemia e iniciar uma nova concessão a 1 de Agosto, que tenha um valor mais baixo e com um serviço menos sofisticado a bordo do Alfa Pendular.

Até ao final dos anos 90 as concessões funcionavam ao contrário: a CP recebia dinheiro das empresas que então exploravam os bares dos comboios (Bracevasa e Minc Barp). A estreia do Alfa Pendular, em 1999, marcou uma viragem. A transportadora passou a pagar para ter um serviço de bordo que incluía as boas vindas aos clientes da classe conforto, com uma bebida, salgadinhos, ou doces, servidos no lugar, bem como a oferta de um jornal ou revista.

Este serviço viria a ter, anos mais tarde, uma versão mais minimalista, mas a CP continuou a pagar para que os seus clientes do longo curso tivessem direito ao serviço de bar o qual, de acordo com alguns funcionários, só é rentável no eixo Lisboa – Algarve e devido sobretudo aos passageiros estrangeiros. Mesmo na linha do Norte, um Intercidades cheio entre Lisboa e Porto não significa muita receita no bar, a não ser quando há muitos turistas a bordo.

Os Intercidades da Beira Baixa e da Beira Alta são os que geram menos receita e o do Alentejo (Lisboa – Évora) já não tem serviço de bar.

De uma maneira geral, o serviço de bordo não tem uma oferta muito abrangente e os preços são caros, em parte devido à logística que a restauração sobre carris exige (com entrepostos nas estações terminais para recolha e fornecimento de produtos) e às exigentes normas de segurança alimentar que hoje vigoram.

De futuro, a CP pondera instalar máquinas de vending em alguns comboios regionais e de longo curso (tal como já aconteceu no Intercidades da Beira Baixa durante alguns anos), nomeadamente nas carruagens espanholas ARCO que a empresa comprou recentemente a Espanha.

Mas manterá a oferta actual dos bares, até para garantir que os 122 trabalhadores agora afectos à LSG podem transitar para o futuro concessionário.