Câmara do Porto alarga vales de desconto a cafés, restaurantes e salões de beleza

A retoma do programa de incentivo à actividade comercial, aprovada esta segunda-feira em reunião do executivo, prevê que cafetarias, restaurantes, cabeleireiros e salões de estética e beleza sejam abrangidos pelo desconto directo de 2€ por cada 20€ em compras.

Foto
Os cabeleireiros estão entre os novos estabelecimentos abrangidos pelo apoio Paulo Pimenta

Os cafés, restaurantes, cabeleireiros, barbeiros e outras actividades dedicadas ao bem-estar físico vão passar a integrar o programa de incentivo à actividade comercial da Câmara Municipal do Porto (CMP), lançado em Dezembro para ajudar o comércio de rua, local e tradicional, a mitigar os efeitos das medidas de contenção da pandemia. A segunda edição, aprovada esta segunda-feira em reunião camarária, pressupõe igualmente a distribuição de vales de desconto aos estabelecimentos aderentes, conquanto tenham “porta aberta para a rua e dimensão de loja até aos 250m²”, sendo “assumido pelo município o desconto imediato de 2€ em todas as compras de valor igual a 20€ e assim sucessivamente (em múltiplos de 20€), até ao limite máximo de 100€ por compra”, determina a proposta assinada por Ricardo Valente, vereador com os pelouros da economia, turismo e comércio.

“A lógica é a mesma, mas vamos alargar o âmbito [do programa] para incluir todos os sectores que perderam gigantemente com a pandemia”, anunciou o independente. A “necessidade de relançar o programa”, que beneficiou 32 estabelecimentos comerciais entre 14 de Dezembro e 6 de Janeiro, já havia sido apalavrada pelo executivo, depois de uma análise sobre resultados que ficaram aquém das expectativas. “Estamos a fazer isto com a antecipação possível, depois de termos concluído que, no Natal, não tínhamos anunciado a medida atempadamente”, elaborou Rui Moreira. A maior abrangência do programa traduz-se no aumento da verba que lhe é destinada, que passa de cerca de 325 mil euros para 500 mil euros. “Vamos aumentar muito o volume de apoio que vamos dar”, assegurou Ricardo Valente. Paralelamente, será realizada uma campanha “massiva” de divulgação e promoção junto dos estabelecimentos comerciais, nas rádios e nos mupis.

Vales para consumidores

O social-democrata Álvaro Almeida, que já havia sugerido a extensão do programa aos sectores em causa, congratulou-se com a solução encontrada para “o problema sério nos cafés e serviços pessoais”, mas discordou da tónica colocada pela maioria municipal na divulgação mais robusta da iniciativa. “Deduzi, das palavras do senhor vereador, que o problema [de insucesso do programa] seja do ponto de vista da divulgação”, observou, contrapondo com “um aspecto que não parece ter sido devidamente ponderado”. “Como economistas, sabemos que os incentivos são mecanismos para mudar os comportamentos dos consumidores e este programa não se dirige aos consumidores”. Nesse sentido, o vereador do PSD propôs que, em futuras edições do programa, “se entreguem os vales aos consumidores em vez de entregar vales aos comerciantes”. 

Em resposta, Rui Moreira reconheceu que “em termos teóricos, o incentivo é mais eficiente quando agimos junto do consumidor”, mas admitiu que “a grande dificuldade é, de forma legítima, distribuir vouchers sem que eles sejam transaccionados entre as pessoas”. O autarca equacionou a possibilidade de pôr esta ideia em prática através de uma articulação com o recém-lançado cartão Porto. que, entre outras valências, agrega serviços e descontos em equipamentos municipais. “Não sei se não poderemos ter isso preparado para a segunda fase do processo”, comentou o independente.

A par da “desmaterialização [do programa] através do cartão” e do “chamamento dos portuenses para vir redescobrir a cidade e fazer compras aqui”, reiterou Ricardo Valente, a retoma do programa focar-se-á numa “desburocratização” da relação dos comerciantes com ele. “Muitos comerciantes queixam-se do trabalho que têm de ter com a papelada e isso pode ser um factor de desmotivação”, justificou. O município disponibilizará 250 mil vales que poderão ser usados entre 3 de Maio e 30 de Julho.