Nesga de sol, ou a Primavera para lá da pandemia cantada por Gohu e Tainá

“Eu cá, tu lá, sem sombra de dúvida/, mas ainda dá p’ra compartilhar/ cada nesga de sol, toda a nesga de sol”, assim cantam Gohu e Tainá, ele português a viver no Brasil, ela brasileira a viver em Portugal. Apresentada como “um abraço transatlântico”, a canção que une os dois, Nesga de sol, foi gravada literalmente como se anuncia: ele em São Paulo, ela em Lisboa. E é na Lisboa da pandemia, quase deserta, que no videoclipe revelado esta sexta-feira se passeiam duas figuras animadas, “avatares” das duas vozes que, ao cruzarem ruas e praças, simbólica e repetidamente abraçam estátuas e mutuamente se abraçam (“Não há sol maior que um abraço”, diz a canção). A produção é de Emerson Martins e a realização de Ricardo Nilsson e Artur Carvalho.

Nascida no Brasil, no Estado do Pará, e a viver há três anos em Portugal, a jovem cantora e compositora Tainá gravou em Lisboa o seu disco de estreia, Sonhos, lançado pela Sons em Trânsito em 2019. Durante o período de confinamento procurou não parar, criando em 2020 um festival a que chamou Compor em Casa, com o objectivo de “explorar e reforçar laços de composição, interpretação e inspiração com os mais diversos artistas” no Instagram, transmitindo as sessões em directo.

Quanto a Gohu, é o heterónimo artístico de Hugo Veiga, publicitário nascido no Porto, que, depois de viver sete anos em Lisboa, se mudou há 16 anos para São Paulo, no Brasil. Como publicitário, trabalhou em projectos de comunicação para artistas internacionais como YoYo Ma, Usher, Lady Gaga e Elton John; e brasileiros como Emicida, Kevin o Chris, Criolo e Milton Nascimento, Ivete Sangalo, Baco Exu do Blues e Baiana System & Tropkillaz. O seu álbum de estreia como cantor e compositor, Terra da Faina, foi lançado em Novembro de 2020.

Sugerir correcção