Desconfinamento: proibição da circulação entre concelhos termina depois da Páscoa

Proibição de circulação entre concelhos chega ao fim na próxima segunda-feira, dia 5 de Abril. As restrições nas viagens para Espanha, contudo, permanecem em vigor. Para já, o desconfinamento avançará de igual forma em todo o país.

Foto
LUSA/TIAGO PETINGA

Com a entrada do país na segunda fase do desconfinamento, a proibição de circulação entre concelhos chega ao fim na próxima segunda-feira, dia 5 de Abril. As restrições nas viagens para Espanha, contudo, permanecem em vigor. 

Na próxima quinzena não está prevista a limitação de circulação entre concelhos seja à semana, seja ao fim-de-semana. Há um acordo com o reino de Espanha para mantermos fechadas as fronteiras – nos termos em que está a fronteira terrestre – de forma a evitar um incremento da pandemia e manter a situação controlada. Vão-se manter fechadas as fronteiras com as excepções que têm sido anunciadas”, explicou o primeiro-ministro.

Contudo – e ainda antes do levantamento de restrições no dia 5 de Abril –, António Costa é confrontado com a proibição de circulação entre concelhos ser acompanhada pela possibilidade de viajar até às regiões autónomas. Em resposta, o primeiro-ministro explica que as regiões autónomas tomam as suas próprias decisões e medidas da saúde pública, enquanto as medidas anunciadas pelo Governo se aplicam apenas ao território continental. “É por isso que não está prevista nenhuma proibição entre as regiões autónomas e o continente”, resumiu, rejeitando a ideia de falhas nos decretos.

Sobre o aumento do R(t) nas últimas semanas, António Costa disse que as medidas são “progressivas”. “Se me perguntarem o que acontece se passarmos o 1? Como sempre dissemos, as medidas serão progressivas. Uma coisa é chegarmos ao 1,01, outra coisa é termo um 1,5 ou 1,2. Temos que graduar devidamente as medidas. O esforço que temos de fazer é ficar no quadrante verde”.

O primeiro-ministro pediu aos portugueses que tivessem especial atenção durante a Páscoa, período em que os contactos sociais tendem a aumentar. António Costa sublinhou que o “tradicional almoço de Páscoa deve ser mesmo evitado” e alertou para o risco real de contaminação de familiares.

“Nesta terceira vaga conseguimos trazer com grande sacrifício, determinação e persistência, de dias em que chegámos a ser os piores do mundo para a situação em que hoje nos encontramos, em que no espaço europeu só a Islândia está melhor que Portugal”, explicou o primeiro-ministro, voltando a agradecer aos portugueses “pela forma como têm conseguido colectivamente controlar esta pandemia”. 

Para já, o desconfinamento avançará de igual forma em todo o país. Mas há 19 concelhos em que é preciso ter mais atenção, acautelou o primeiro-ministro. Se em duas avaliações sucessivas os mesmos concelhos estiverem no limiar de risco, “não devem avançar as medidas de desconfinamento” nesses concelhos.