Fotogaleria

Polícia belga dispersa milhares de jovens a festejarem num parque — parece mentira, e era suposto ser

Começou como uma brincadeira do dia das mentiras no Facebook, a incitar uma festa em Bruxelas como desafio ao confinamento no país. Mas, o insólito aconteceu mesmo e cerca de dois mil jovens compareceram. Os festejos na tarde solarenga desta quinta-feira terminaram com confrontos violentos com a polícia.

EPA/STEPHANIE LECOCQ
Fotogaleria
EPA/STEPHANIE LECOCQ

Centenas de polícias belgas usaram gás lacrimogéneo e camiões com canhões de água esta quinta-feira para dispersar milhares de jovens reunidos num parque de Bruxelas para uma festa em desafio ao confinamento da Bélgica — um evento que começou como uma piada do dia das mentiras no Facebook.

Cerca de duas mil pessoas compareceram ao final de um dia quente e ensolarado para participar na "La Boum" ("A Festa", em português) no parque Bois de la Cambre, disse a polícia local, apesar de os organizadores terem revelado dias antes que o convite nas redes sociais era uma farsa. A imprensa local estima o número de pessoas em cerca de cinco mil.

"Estamos todos deprimidos. Faço 18 anos em duas semanas, queremos aproveitar a nossa juventude ", disse à Reuters a estudante Amelie, na festa." Não viemos para incomodar a polícia, mas para mostrar que também temos uma vida e queremos aproveitá-la. "

Repórteres da Reuters no local disseram que pelo menos dois civis ficaram feridos nos confrontos, incluindo uma mulher que foi derrubada por um cavalo da polícia. Uma porta-voz da polícia disse que três agentes ficaram feridos e quatro pessoas foram presas.

O anúncio da festa, publicado no Facebook em Março, prometia uma série de DJs, o cantor e produtor Calvin Harris e uma reunião única da banda francesa Daft Punk no maior parque da capital belga.

A falsa festa fez com que a polícia e os procuradores se debatessem depois de quase 20 mil pessoas dizerem que planeavam comparecer. Os procuradores de Bruxelas iniciaram uma investigação para descobrir quem está por detrás da publicação.

Reuters/CLEMENT ROSSIGNOL
EPA/STEPHANIE LECOCQ
Reuters/CLEMENT ROSSIGNOL
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ
EPA/STEPHANIE LECOCQ