Pablo Pichardo aponta aos 18m nos Jogos Olímpicos: “Nunca tive um reconhecimento assim”

Campeão europeu do triplo salto quer retribuir com uma medalha, em Tóquio, o apoio que tem sentido em Portugal.

Foto
LUSA/ADAM WARZAWA

Pedro Pablo Pichardo, campeão europeu do triplo salto em pista coberta e uma das grandes esperanças da comitiva portuguesa para os Jogos Olímpicos, no final de Julho, apontou nesta quarta-feira a marca de 18 metros como o patamar mínimo para conseguir impor-se em Tóquio. Um objectivo que encara como mais um passo em frente na carreira e uma forma de agradecer o apoio e reconhecimento que tem sentido desde que chegou a Portugal.

“Tem que sair [um salto de 18m], se eu quiser ganhar competições tenho que saltar pelo menos 18m. Se não, não vou conseguir trazer o ouro para Portugal e, como eu quero trazer o ouro para o meu país, tenho de saltar 18 metros”, assumiu, numa entrevista à BTV, antevendo que a primeira presença olímpica da carreira será “uma emoção muito grande”.

O triplista de 27 anos, nascido em Cuba mas naturalizado português desde o final de 2018, explica que as correcções que está a tentar introduzir na técnica de salto serão decisivas. “Estamos a tentar resolver os erros de pormenor. Se resolvermos esses erros até lá, vai ser uma grande prova. Os erros acontecem sempre, mas queremos que, nesse dia, aconteçam o menos possível”.

A treinar-se em Setúbal (o treinador é o próprio pai) e com poucas interrupções, mesmo em tempo de pandemia, reconhece que ainda tem uns degraus a subir no triplo salto, apesar do currículo de respeito que já trazia de Cuba. “Ainda não me considero um grande atleta. Ainda tenho de atingir muitas medalhas e resultados importantes. Ainda não sou, estou a caminho”, avalia, assumindo ter passado “muitas dificuldades” no país em que nasceu. 

“O Governo e as instituições desportivas magoaram-me muito e fizeram com que, pouco a pouco, eu me fosse desligando. Não sinto saudades de voltar a Cuba nesta altura”, reconheceu, com a mesma abertura com que confessou ter ficado muito surpreendido com o telefonema de Marcelo Rebelo de Sousa, depois da medalha de ouro arrebatada nos Europeus indoor, na Polónia. 

“Eu tenho 27 anos e já tenho algumas medalhas mundiais, por Cuba. Nunca me tinham reconhecido [valor] em nenhum sítio pelos meus feitos até agora, até chegar cá a Portugal. E em pouco tempo, porque não nasci cá... o Presidente ligou-me e, pela sua voz, senti que estava contente com aquele feito e fiquei muito surpreendido”, desvendou.

De resto, Pablo Pichardo admitiu que não acreditou, quando um dirigente da federação o avisou para estar atento ao telemóvel, porque em breve iria receber uma chamada do Presidente da República. “Fiquei muito feliz. Nunca tinha tido um reconhecimento assim tão grande. Quando cheguei ao Benfica, sim, as pessoas do Benfica reconheceram o meu trabalho, mas fora do clube nunca me tinha acontecido”.

Esse reconhecimento já se estendeu aos autarcas da Câmara Municipal de Setúbal e a muitos outros portugueses que na rua o reconhecem e o congratulam. “O povo de Cuba é diferente. Aqui, quando consegues um bom resultado, as pessoas cumprimentam-te na rua, mandam mensagens, torcem por ti. Em Cuba, tem que ser uma pessoa que te conheça para dar apoio”.

Quando iniciou a trajectória no triplo salto, aos 14 anos, quase por acaso (não conseguiu a marca de apuramento no salto em comprimento e, para não ficar de fora da prova, tentou, com sucesso, o triplo), atingiu os 12,92 metros. Agora, que passou do patamar do divertimento puro para o desporto de alta competição, as metas continuam a crescer. E a marca que alcançou em Torun, e que lhe valeu a medalha de ouro (17,30m), não o deixou convencido.

“Estávamos à espera de um salto pelo menos acima de 17,70m, de passar essa barreira. Estive à procura desse salto, mas acho que fiquei um pouco conformado, porque os rivais também não puxaram mais por mim”, explicou, admitindo que a competição e a rivalidade dentro de cada concurso é determinante para elevar o nível.

A tentar melhorar o domínio do português a cada dia (o triplista promete retomar as aulas assim que a agenda competitiva o permitir), Pichardo descreve-se como um optimista nato. “Na minha cabeça não pode haver nada de negativo, procuro sempre o lado positivo de cada situação. Quando algo negativo entra na cabeça, é difícil que saia e, por isso, não deixo sequer que entre”.​  

Foto

O que ainda não lhe saiu da cabeça foi a bandeira de Portugal a ser içada e A Portuguesa a ser entoada, com a medalha de ouro ao peito. “Estava à procura de ganhar já há dois anos para cantar o hino de Portugal. Já tinha vencido na Diamond League, mas aí não passam o hino. Nesse dia, quando aconteceu, fiquei muito feliz, só que tinha que usar a máscara e as pessoas não notaram muito que cantei mesmo o hino. Estava muito feliz”.