Mitrovic manteve a Sérvia a par de Portugal

Com dois golos do avançado do Fulham, os sérvios venceram no Azerbaijão. Na qualificação asiática, o Japão goleou por 14-0, enquanto a Guiné-Bissau garantiu a terceira presença consecutiva na CAN.

Foto
Reuters/AZIZ KARIMOV

Um pouco à imagem do que aconteceu com Portugal no Luxemburgo, o terceiro jogo da Sérvia na qualificação para o Mundial 2022 teve alguns sobressaltos. No Azerbaijão, os sérvios marcaram primeiro, deixaram-se empatar, e só conseguiram o triunfo graças à qualidade do goleador Aleksandar Mitrovic. Nos restantes jogos da qualificação europeia, a Bélgica e os Países Baixos golearam de forma clara, mas não se aproximaram dos números do Japão no apuramento asiático: os nipónicos arrasaram a Mongólia: 14-0.

Depois de iniciar a qualificação com dois bons resultados em Belgrado (vitória contra a Rep. Irlanda e empate frente a Portugal), a Sérvia parecia, com um golo de Mitrovic, aos 16’, arrancar para uma vitória tranquila no Estádio Olímpico de Baku, mas, tal como tinha acontecido a Portugal em Turim, o duelo dos sérvios com o Azerbaijão não foi um passeio.

Com uma atitude passiva, a selecção dos Balcãs foi perdendo intensidade e, após um par de ameaças, os azerbaijanos empataram: Emin Mahmudov, que em 2016/17 fez 12 jogos pelo Boavista, sofreu falta na área e aproveitou o penálti para marcar.

A partir daí, com meia hora para jogar, a Sérvia voltou a subir o ritmo, lançou o portista Grujic e os ex-benfiquistas Zivkovic e Jovic, mas foi Mitrovic que resolveu o problema ao seleccionador sérvio Dragan Stojkovic: depois de bisar contra os irlandeses e marcar frente a Portugal, o avançado do Fulham fez o quinto golo na qualificação e garantiu os três pontos aos ex-jugoslavos, que, com sete pontos, continuam a repartir com os portugueses a liderança do Grupo A.

Ao contrário de Portugal e da Sérvia, a Bélgica não facilitou um milímetro. Três dias depois de empatar em Praga contra a Rep. Checa, os líderes do ranking da FIFA receberam a Bielorrússia e resolveram o problema com números contundentes: 8-0.

No mesmo Grupo E, houve um frente-a-frente interessante em Cardiff, que ficou condicionado para a Rep. Checa após a expulsão de Schick, no início da segunda parte. A vantagem numérica dos galeses durou até aos 81’ (segundo amarelo para Connor Roberts), mas, no minuto seguinte, Daniel James, assistido por Bale, fez o golo que garantiu a primeira vitória do País de Gales na qualificação.

No Grupo G, também houve uma goleada clara (7-0 dos Países Baixos em Gibraltar), mas, nas outras partidas, houve surpresas. A Turquia deixou-se empatar em casa (3-3) pela Letónia e perdeu os primeiros pontos, enquanto Montenegro, que também tinha vencido os dois primeiros jogos, fez pior: mais uma vez sem golos de Haaland, a Noruega ganhou por 1-0 em Bijelo Polje.

Bem mais embrulhado está o Grupo H, no qual apenas três pontos separam o primeiro e o penúltimo. Para isso contribuíram as inesperadas derrotas da Eslovénia no Chipre (1-0) e da Rússia na Eslováquia (2-1), enquanto a Croácia cumpriu na recepção a Malta (3-0).

Fora do continente europeu, o destaque na corrida por um lugar no Qatar chegou da Ásia, onde o Japão, a jogar em Chiba, a cerca de 40 quilómetros de Tóquio, atropelou a modesta selecção da Mongólia, com um histórico 14-0.

Os nipónicos, que com este triunfo mantiveram o registo 100% vitorioso no Grupo F da qualificação asiática - têm mais cinco pontos e menos um jogo do que o Tajiquistão -, venciam ao intervalo por 5-0, com um dos golos a ser apontado por Hidemasa Morita, médio do Santa Clara.

Em África, houve festa em Bissau com a qualificação da Guiné para o CAN 2022. Os guineenses garantiram a terceira presença consecutiva na principal competição africana após derrotarem em casa o Congo por 3-0. Guiné-Bissau, que apresentou na equipa titular Nanú (FC Porto), Bura (Farense), Candé (Portimonense), Pelé (Rio Ave) e Alfa Semedo (jogador do Benfica, emprestado ao Reading), marcou por dois jogadores que já passaram por Portugal (Piqueti e Jorginho) e por Frédéric Mendy, avançado que alinha pelo V. Setúbal no Campeonato de Portugal.