As camisolas poveiras são uma expressão cultural tradicional ainda à espera de certificação

Não seria fácil defender em tribunal um produto não certificado que, pela sua história e importância comunitária merece uma classificação como património imaterial, defende advogada especialistas em conflitos relacionados com propriedade intelectual.

Foto
Caso chegou ao Diet Prada, projecto que expõe más práticas na indústria da moda DR

As camisolas poveiras são produzidas há mais de um século entre a comunidade piscatória da Póvoa de Varzim, mas nem esta peça de vestuário, nem o saber-fazer que lhe está associado estão certificados. A Junta de Freguesia da Póvoa de Varzim está desde o ano passado a desenvolver a certificação desta peça junto do CEARTE - Centro de Formação Profissional para o Artesanato e Para o Património, mas o processo não está ainda concluído. O museu municipal prepara a edição de um livro, que ainda não saiu por causa da pandemia, e que deverá, agora, incluir referências ao conflito com a estilista norte-americana Tory Burch, que as tentou vender sem referência à origem.

Quando o Governo português, através do Ministério da Cultura, anunciou que iria solicitar a identificação das vias judiciais e extrajudiciais ao dispor do Estado português para defender a camisola poveira enquanto património cultural português, levantou-se imediatamente a questão da dificuldade de lutar contra a apropriação de algo que ainda não está certificado como uma produção artesanal tradicional, e cuja componente material (os desenhos, o ponto utilizado), não tendo um autor conhecido, dificilmente poderia ser defendido pelo lado da propriedade intelectual.

Na verdade, tendo coincidido com a ameaça do Estado português, a retirada da peça da sua loja online por parte de Burch poderá estar mais depressa relacionada com o impacto internacional que o caso passou a merecer na sexta-feira, depois de ter chegado ao Instagram do Diet Prada. Criado há cinco anos, o projecto dos nova-iorquinos Tony Liu e Lindsey Schuyler expõe situações de plágio na indústria da moda, para além de outros problemas graves, como a exploração de modelos ou abusos sexuais. Dali, a história já tinha, na sexta-feira, saltado para o The Independent, entre outros, mas já com a tónica no pedido de desculpas da estilista. Que apenas assumiu um erro de má atribuição da inspiração para o produto.

Foto
Camisolas começaram por ser usadas por homens, pescadores. No século XX, passou a ser para mulheres e crianças também Nelson Garrido

A indústria da moda deve respeitar estas tradições

Três dias depois de o caso ter sido dado a conhecer, ninguém duvida, em Portugal, que a peça era uma simples cópia de uma expressão cultural tradicional (ECT). O caso chamou a atenção de Vera Albino, coordenadora jurídica da Inventa International, sociedade especializada em conflitos relacionados com propriedade intelectual, que acompanha com atenção a forma como alguns membros da indústria da Alta-costura se apropriam, por vezes, destas ECT, e para quem Tory Burch falhou alguns dos quatro princípios propostos, para a indústria da moda, por uma das mais reputadas juristas nesta área, Brigitte Vézina, e seguidas pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual.

Segundo esses princípios, os criadores devem “compreender e respeitar as culturas indígenas, ou locais”, podem “reinterpretar e transformar essas expressões de maneira respeitosa”, “reconhecendo e publicitando a titularidade dessas expressões”. Por último, devem, sempre que possível, dialogar com as comunidades de origem dessas ECT, e colaborar com elas no desenvolvimento desse produto”, explica a jurista portuguesa. Que defende a classificação destas manifestações da cultura popular como património imaterial português, passo que permitiria, por exemplo, o seu eventual reconhecimento pela UNESCO. Outas formas de certificação, como a Denominação de Origem Protegida (DOP), não impedem que o mesmo produto seja replicado noutro lado. Apenas não pode usar a denominação, acrescenta.

Portugal tem, desde 2019, uma estratégia e um programa para a valorização do saber fazer português, mas ainda está para ser criada a associação encarregada de levar por diante esta iniciativa, voltada, precisamente, para a valorização do artesanato. Quando denunciou o caso com Tory Burch ao PÚBLICO, o presidente da Junta da Póvoa de Varzim, que tem coordenado o processo de certificação das camisolas poveiras, considerou excessivo que “seja preciso pagar cerca de dez mil euros”, acrescido de um valor anual “de três mil euros”, para registar e manter a certificação deste produto tradicional. “A nossa junta até consegue pagar. Para outras entidades, é demasiado. Se isto é um património que estamos a tentar manter vivo, o processo até devia ser subsidiado”, insistia, na quarta-feira, o autarca.​