ADN encontrado numa faca suspende julgamento de mulheres acusadas de matar homem no Algarve

A pausa de dez dias é para que possa ser analisado um relatório policial de perícia de ADN.

Foto
PAULO PIMENTA

O Tribunal de Portimão suspendeu esta quarta-feira por dez dias o julgamento das duas mulheres acusadas em co-autoria da morte de um homem em 2020, no Algarve, para que seja analisado um relatório policial de perícia de ADN.

O prazo foi requerido por Tânia Reis, advogada de defesa de Maria Malveiro, depois de o tribunal ter dado conhecimento da entrada, na terça-feira, de um relatório de perícia judicial que foi junto aos autos.

A advogada alegou que necessitava de dez dias para “analisar o documento”, para que pudesse “exercer o contraditório”, pedido a que o tribunal acedeu, agendando uma nova sessão para o dia 13 de Abril, às 9h15.

O relatório do Laboratório de Polícia Científica, com data de 17 de Fevereiro de 2021, a que a agência Lusa teve acesso, apresenta os resultados das perícias de ADN efectuadas a vários objectos apreendidos, entre os quais duas navalhas.

As perícias a uma das navalhas apreendidas detectaram o ADN de um elemento masculino que não foi identificado e que não é compatível com o da vítima, Diogo Gonçalves.

O documento avança nas conclusões que, da análise a uma das navalhas, foi obtido “um perfil de maior contribuidor idêntico ao perfil de Maria Malveiro”.

Numa outra navalha, foi encontrado “um perfil de maior contribuidor, proveniente de indivíduo do sexo masculino, que não tem identidade com o perfil de Diogo Gonçalves [a vítima], nem com o perfil obtido noutros itens” analisados.

Segundo o relatório, num dos itens foi obtido um perfil de mistura de mais de um indivíduo, da qual não podem ser excluídas Maria Malveiro e Mariana Fonseca, e o mesmo perfil masculino não-identificado.

O documento refere ainda que “os resultados obtidos e que não foram identificados serão alvo de estudo comparativo” quando forem enviadas amostras de referência dos intervenientes.

No final da sessão, o advogado João Grade, defensor de Mariana Fonseca, disse aos jornalistas que o relatório “pode ou não ter interferência” no julgamento.

As arguidas, Maria Malveiro, segurança de profissão, e Mariana Fonseca, enfermeira, estão acusadas pelo Ministério Público (MP) dos crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver, dois crimes de acessos ilegítimo, um de burla informática, roubo simples e uso de veículo.

De acordo com o MP, as mulheres terão matado em Março de 2020 Diogo Gonçalves, de 21 anos, com o objectivo de lhe extorquirem dinheiro, já que este tinha recebido 70 mil euros de indemnização pela morte da mãe, atropelada na zona de Albufeira, em 2016.