Mortes em salões de massagem nos EUA põem em foco crimes de ódio contra asiáticos

Seis mulheres de ascendência asiática foram mortas por um atirador em Atlanta. Suspeito diz que é dependente de sexo e que foi motivado pelo desejo de “eliminar a tentação”, mas o caso veio abrir o debate sobre o racismo contra asiáticos durante a pandemia.

donald-trump,america-norte,tiroteio-eua,eua,mundo,america,
Fotogaleria
O suspeito frequentava a Igreja Baptista de Crabapple, nos subúrbios de Atlanta Reuters/DUSTIN CHAMBERS
Atlanta
Fotogaleria
Reuters/CHRISTOPHER ALUKA BERRY
donald-trump,america-norte,tiroteio-eua,eua,mundo,america,
Fotogaleria
O salão Gold foi o palco do segundo ataque Reuters/DUSTIN CHAMBERS
donald-trump,america-norte,tiroteio-eua,eua,mundo,america,
Fotogaleria
Flores à porta do salão Young, onde o atacante matou quatro mulheres e feriu um homem ERIK S. LESSER
donald-trump,america-norte,tiroteio-eua,eua,mundo,america,
Fotogaleria
O terceiro e último salão de massagem atacado Reuters/DUSTIN CHAMBERS

Na tarde de segunda-feira, a médica Michelle Au, uma senadora do estado norte-americano da Georgia descendente de chineses, subiu ao palanque do Senado e alertou os seus colegas para os efeitos de uma epidemia diferente daquela que assola os EUA e grande parte do resto do mundo: “A epidemia a que me refiro não é a da covid-19, mas sim a do racismo contra os ásio-americanos.”