Em 2020, um número recorde de asteróides passou “perto” da Terra

No ano passado, os astrónomos catalogaram 2958 asteróides anteriormente desconhecidos. Um deles chama-se Apophis, tem 340 metros de diâmetro e passou pela Terra a 6 de Março com uma certa “distância de segurança”.

Foto
A passagem do asteróide 2012 DA14 pela Terra retratada pela NASA NASA/JPL-Caltech/REUTERS

Apesar da pandemia que assolou o mundo, 2020 foi um ano de descobertas e recordes. Desta vez, um recorde astronómico: no ano passado, quase 3000 asteróides, até então desconhecidos, passaram “perto” da Terra.

Um deles chama-se Apophis, tem 340 metros de diâmetro e passou pela Terra a 6 de Março com uma certa “distância de segurança”. A próxima vez que passará “próximo” do planeta azul será em 2029 e deverá aproximar-se mais, prevendo-se que passe a 40.000 quilómetros da Terra — um pouco acima da zona onde orbitam alguns satélites de alta altitude. Segundo a revista Nature, essa será a primeira vez que os astrónomos terão oportunidade de assistir à passagem de um asteróide tão grande tão perto da Terra.

Desde 1998, quando a NASA deu início à maior investigação sobre o tema, os cientistas detectaram mais de 25 mil asteróides cuja rota se aproximou da Terra e 2020 foi um ano recorde. Apesar de muitas pesquisas terem sido interrompidas devido ao novo coronavírus, os astrónomos catalogaram 2958 asteróides anteriormente desconhecidos ao longo do ano passado.

Uma grande parte destes asteróides foram descobertos pelo Catalina Sky Survey, um programa na Universidade do Arizona (Estados Unidos) destinado a descobrir asteróides e cometas que passem perto da Terra. Embora algumas operações tenham sido temporariamente suspensas na Primavera passada devido à pandemia e um incêndio em Junho tenha forçado o encerramento das instalações, o Catalina Sky Survey conseguiu descobrir 1548 asteróides que passaram perto da Terra — entre os quais uma “mini-lua”, chamada 2020 CD3, com menos de três metros de diâmetro, que foi “apanhada” temporariamente pela força gravitacional da Terra, da qual se conseguiu “livrar” em Abril do ano passado.

Cerca de 1152 dos asteróides catalogados no ano passado foram descobertos pelo projecto Pan-STARRS (Panoramic Survey Telescope and Rapid Response System), da Universidade do Havai, entre os quais um objecto ao qual foi dado o nome 2020 SO e que acabou por se descobrir que não se tratava de um asteróide, mas sim de vestígios da parte de cima do foguetão Centauro — cuja missão falhada data de 1966 e tinha como objectivo colocar a sonda Surveyor 2 na Lua.

Pelo menos 107 destes asteróides localizados em 2020 passaram pelo nosso planeta a uma distância inferior àquela a que se encontra a Lua (cerca de 384.400 quilómetros). Foi o caso do asteróide 2020 QG, que passou a apenas 2950 quilómetros acima do Oceano Índico em Agosto, e do pequeno asteróide 2020 VT4, que passou a menos de 400 quilómetros do planeta azul em Novembro e só foi localizado pelo Sistema de Alerta de Impacto Terrestre de Asteróides (ATLAS) 15 horas depois de passar pela Terra.