A pandemia reactivou a vizinhança, “temos de lhe dar sequência”

Humanizar os subúrbios, multiplicar os bairros, falar com as pessoas. A aplicação dos próximos fundos europeus exige uma nova visão urbana, defendem cinco académicos.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Nem só de grandes obras se faz uma cidade, mas de todas as pessoas que a compõem. E agora que a casa se tornou epicentro da vida e os movimentos estão mais limitados, porque não aproveitar a oportunidade para valorizar os bairros com recurso à participação pública? Cinco académicos ligados ao Ordenamento do Território, ao Urbanismo e à Mobilidade acabam de o propor através de um parecer que reclama “uma nova agenda urbana para Portugal”.

Sugerir correcção
Ler 2 comentários