Militares já fizeram 339 mil contactos de rastreio à covid-19

Um total de 779 militares dos três ramos estão envolvidos na realização dos inquéritos epidemiológicos.

Foto
Sala de operações de rastreio no Centro de Informação Geoespacial do Exército Rui Gaudencio

Em quatro meses, as equipas das Forças Armadas procederam a 339 mil contactos no âmbito dos inquéritos de rastreio à covid-19, em apoio ao Serviço Nacional de Saúde e em colaboração com as Administrações Regionais de Saúde (ARS), segundo divulgou o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

Foi em Novembro do ano passado que os militares começaram a desenvolver estas tarefas, que se inserem nas actividades das Forças Armadas no combate à pandemia, ordenadas pelo Ministério da Defesa Nacional e coordenadas pelo EMGFA.

Assim, no rastreio estão empenhados 779 militares dos três ramos — Marinha, Exército e Força Aérea constituídos em 43 equipas que operam nas ARS do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo, bem como nas regiões autónomas dos Açores e Madeira.

Para tanto, após uma formação ministrada pelas ARS, as equipas realizam diariamente o contacto telefónico com os casos confirmados de covid-19 e identificam os casos de risco para evitar cadeias de contágio.